sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Por favor!...

Hoje, num dia de mais disponibilidade, e porque não dizer, mais paciência, andei deambulando pela Net. O que encontrei? Ora bem, "coisas" importantíssimas, dignas de alguém perder o seu tempo a ler, a tomar conhecimento, a aprender. Sim, porque se aprende imenso com tamanha informação!

Saber que A saiu com B, que D tem uma saia mais janota que Y, que C esteve na praia com Z, - isto para acabarmos já com o alfabeto! - é da maior relevância, olá se é!

Meus caros responsáveis por estas páginas, a sociedade para vós resume-se a um somatório de "nadas"? Ah, as ditas têm mais "clientes"? A ideia é mesmo essa? Pois, já desconfiava!
Acalmem-se. Não se enervem, ainda não acabei e já conheço a vossa argumentação.
É óbvio que há sites muito, mas muito bons, mas caríssimos, das duas uma, ou sabemos exactamente o que queremos, ou então, caso haja necessidade de fazer pesquisa, aí...! Aí é um deus nos acuda! Para chegar a esses é necessário fazer alguma (para não dizer imensa!) travessia num deserto que, é tudo, menos inocente. O que nos é oferecido de bandeja (coitados de nós!) é lixo. Lixo e mais lixo. Não concordam? Pois, faz sentido!...


Como sou uma "cliente" fraquita, como estava a ficar um pouco, pouquinho nauseada, fui - lá está, fui pesquisar, não estava ali no meio da praia e do namorado da namorada...! - à procura de uma lufada de ar fresco, de algo que me garantisse que a humanidade ainda existe.
E foi então - aleluia! - que encontrei este belo  trabalho da Mariza.
Conhecia a canção, mas não este magnifico vídeo que me mostrou, sem margem para qualquer dúvida, que ainda se vai encontrando, se bem que raramente, "gente com gente dentro".

O oco prevalece? Lutemos para inverter a situação. Quem sabe um dia...

Façam o favor de ter um óptimo fim-de-semana.


terça-feira, 26 de julho de 2016

Então, que tal?!

Não conseguiam adivinhar? Mas era tão simples!
Não conhecem a Praia da Consolação, que fica a pouquíssimos quilómetros de Peniche?

Não acredito!





Para quem necessita de iodo, para quem detesta o calor, garanto-vos que não há melhor.
Boas visitas, bons mergulhos, tudo de bom.
     
        Façam o favor de ser felizes, sim?!...

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Adenda


Só uma ajudinha aos Amigos que por aqui têm passado e não conseguem descobrir o meu paradeiro.
Neste oásis onde me encontro as temperaturas máximas não têm excedido os 25 graus.
Onde fica este paraíso? Só mais uma achega: não muito longe de Lisboa.




                      Então, nem assim?!:)

domingo, 24 de julho de 2016

E?!...

E...?
Quem adivinha onde estou?!
Deixo duas pistas bem elucidativas.
Nada mau, não vos parece?!
São insuficientes? Serão mesmo?! Talvez a segunda suscite algumas duvidas, mas  a primeira?!...




Se há prémio para o vencedor?

Não, não há prémio, apenas um abraço amigo!...


domingo, 17 de julho de 2016

Quando...

... quando o cheiro a morte é insuportável.
Quando a loucura é a palavra de ordem que comanda o mundo.
Quando a segurança é algo que, cada vez mais, pertence ao passado.

Quando a esperança em dias melhores é uma quimera.
Quando a "esperança" se baseia num retrocesso civilizacional notável, caso se venha a concretizar,  - entre outras enormidades -, a ameaça de implementação da pena de morte num (dos) País(es) conturbado(s).

Quando...?

Quando olho as novas gerações, muito em particular as crianças, e fico de coração pequenino a pensar no seu futuro.

Quando...



... medos me aterrorizam, e estou por perto, numa tentativa de encontrar um pouco de paz olho as duas torres sineiras, e uma terceira, continuidade do frontão triangular da Basílica*,  que se erguem aos céus. E elevo  a oração pela Paz, e imploro aos deuses piedade.

E por momentos, ainda que escassos, é a esperança que espreita, aquieta.
Só por segundos? Que seja, se a alternativa não é outra!



*A que Basílica me refiro? Ah, a fotografia é de minha autoria.


Boa semana para todos vós, Amigos!



terça-feira, 21 de junho de 2016

É urgente.


Sim, é urgente!


Fonte: http://www.citador.pt/poemas/urgentemente-eugenio-de-andrade

Urgentemente

É urgente o amor
É urgente um barco no mar
É urgente destruir certas palavras, ódio, solidão e crueldade, alguns lamentos, muitas espadas.
É urgente inventar alegria, multiplicar os beijos, as searas
É urgente descobrir rosas e rios e manhãs claras.
Cai o silêncio nos ombros e a luz impura, até doer.
É urgente o amor, é urgente permanecer.

Eugénio de Andrade, in "Até Amanhã"


Cada vez mais, Amigos, é urgente o AMOR.

Urge que interiorizemos esta urgência.
Urge que façamos tudo o que estiver ao nosso alcance para a colmatar.

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Aqui, ali, acolá.

O homem parece apostado em destruir, destruir, apenas destruir.
Ah! Mas há o poeta que vê, lúcido, passados e futuros.

Da autoria de Ricardo Reis:

Uns, com os olhos postos no passado

Uns, com os olhos postos no passado,
Vêem o que não vêem; outros, fitos
Os mesmos olhos no futuro, vêem
O que não pode ver-se.

Porque tão longe ir pôr o que está perto —
A segurança nossa? Este é o dia,
Esta é a hora, este o momento, isto
É quem somos, e é tudo.

Perene flui a interminável hora
Que nos confessa nulos. No mesmo hausto
Em que vivemos, morreremos. Colhe
O dia, porque és ele.

in , http://arquivopessoa.net/textos/2695




Depois é o Maestro Ricardo Muti, o Homem que fez da música porta-voz da revolta, da indignação que o consomia perante a política seguida no seu País, a belíssima Itália.
E lamentava-se, e indignava-se, e insurgia-se contra tudo aquilo que considerava um atentado.

Ontem havia Homens que se agigantavam.
Hoje?
Necessitamos de Homens que nos façam acreditar.