terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

A Mulher: grandezas, milagres e...? E dó, um dó imenso!

O mistério da vida e o papel da Mulher no mesmo, é qualquer coisa me faz vergar  de respeito.


A mulher grávida, aquela que transporta em si um Ser em formação, está a protagonizar um autêntico milagre. Do seu corpo repartido, partilhado com o filho que gera, resulta uma cumplicidade única, numa vida que vive duas vidas: a sua e a do filho que alberga.

E há mulheres que quando confrontadas com a opção entre serem Mães, ou boas(?) profissionais, fazem recair a sua escolha na profissão?
E há mulheres que abdicam da sua missão maior, a maternidade?
E há mulheres que não percebem que estão a desistir do milagre mais maravilhoso e que só a elas cabe?

Quando me cruzo com uma grávida não deixo de rezar, baixinho, interiormente, para que tudo corra bem, para que seja feliz, ela e o seu filho. E rezo de forma sentida, tão sentida!

Pela mulher/Mãe tenho um enormíssimo respeito.
Aquela que opta pela "bendita" profissão, a que abdica do seu papel mais nobre, a maternidade, por essa sinto apenas dó. 
Apetece-me dizer: "perdoai-lhes Senhor, que não conseguem reconhecer a importância do seu papel no mundo".
Rejeitar a maternidade é contra natura, é qualquer coisa de obsceno.


10 comentários:

  1. Olá GL,
    Gostei muito deste post. A maternidade é sem dúvida nenhuma a maior benção que Deus concedeu à Mulher para que o milagre da vida acontecesse, dando à luz um ser semelhante à carne da sua carne, e assim a espécie humana pudesse evoluir num crescendo sem fim.
    Também acho que rejeitar a maternidade é contra natura e devia ser considerado um acto proibido.
    Obrigada por esta partilha de sentimentos.
    Um beijinho
    maria eduardo

    ResponderEliminar
  2. Olá Maria Eduardo,

    A grandeza da maternidade é incomensurável.Pena é que muitas mulheres não tenham disso consciência.

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  3. Tenho pelas mães um enorme respeito.
    A minha, abdicou durante anos, da sua carreira profissional para se dedicar aos filhos. Quando voltou a trabalhar sei que foi complicado conciliar as duas coisas. Mas é uma óptima profissional e ainda melhor mãe!
    Rejeitar a maternidade a favor de uma profissão, parece-me ser a ponta de algo bem mais profundo que teria de ser dissecado de outra forma.

    Abraço

    ( lembrei-me agora, leu "O segundo sexo" de Simone de Beauvoir?)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma Mulher completa, a sua Mãe, e por isso a bendigo.
      Um exemplo a seguir, sem dúvida. Primeiro os filhos e só depois a profissão.
      Sei - não me julgue tão ingénua - as dificuldades, os entraves que o patronato coloca à mulher/mãe. Quantas têm tido problemas laborais gravíssimos, quantas foram despedidas?
      Só que, atenção: muitas optam carreira apenas pela ambição de ir mais longe, cada vez mais longe.
      A estas apetece-me questioná-las onde fica esse "mais longe"?
      Onde fica esse sonho, um sonho mais importante do que a bênção de ter um filho?

      De vós, os meninos da sua/vossa Mãe, espero que lhe saibam retribuir esse imenso Amor, essa entrega.

      O livro de Beauvoir? Sim, li!
      Mas, sabe? Abomino fundamentalismos, sejam eles quais foram. Feministas que levam a sua teoria à náusea, nauseiam-me.
      Respondi à sua questão?

      Abraço grande.

      Eliminar
    2. "GL", Julgo que não me fiz compreender. Peço desculpa, por vezes não sou muito bom com as palavras. Quando escrevi "Rejeitar a maternidade a favor de uma profissão, parece-me ser a ponta de algo bem mais profundo que teria de ser dissecado de outra forma" queria tentar perceber as motivações que levam essas mulheres a fazer essa troca. Como disse tenho o maior respeito pela maternidade. E pela paternidade, também há muitos homens a querem ser pais. Pela minha mãe tenho (o meu irmão também)todo o respeito e amor. Não sei é se alguma vez consigo retribuir tanto amor e sacrifício.

      Abraço grande

      Eliminar
    3. Não é bom com as palavras? Não? Tem a certeza?!

      Percebi, acredite, só que não encontro resposta. Motivações?
      "A estas apetece-me questioná-las onde fica esse "mais longe"?"
      A interrogativa não vai na linha da sua necessidade de saber o porquê da troca?
      Como vê!...

      Das suas palavras deduzo que qualquer de vós vai saber retribuir o amor da vossa Mãe.

      Abraço grande.

      Eliminar
  4. Eu nunca fui mãe, mas adoro crianças e tenho muitos sobrinhos(que foram como
    filhos-não sendo) mas também respeito imenso uma mulher grávida.
    Beijinhos.
    Bom fim de semana.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Irene,

      Os sobrinhos podem constituir uma compensação, podem ajudar a preencher vazios.

      Bom Domingo.

      Beijinho.

      Eliminar
  5. Ser Mãe é um dom amior, e abdicar disso em prol do trabalho, dá que refelctir num mundo feito de coisas...

    beijo amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se bem que este tema não seja exclusivo da Mulher, não deixo de salientar sua perspectiva sobre o mesmo. A sua postura diz muito do seu carácter, da sua forma de ver/estar no mundo.
      Por isso, Daniel, obrigada!

      Beijinho, Amigo.

      Eliminar