sábado, 13 de julho de 2013

Sophia de Mello Breyner vs Chopin


Este é o tempo

Este é o tempo
Este é o tempo 
Da selva mais obscura 
Até o ar azul se tornou grades 
E a luz do sol se tornou impura 

Esta é a noite 
Densa de chacais 
Pesada de amargura 

Este é o tempo em que os homens renunciam. 

Sophia de Mello Breyner
in, Mar Novo (1958)
(aqui) 


Se bem que não haja nada que nos faça esquecer a selva, tentemos um pouco de paz ouvindo Chopin.


 

Fica o convite!

Assim como fica o resultado do "desafio" lançado ao amigo João Méneres, do "Grifo Planente" (aqui) de fotografar as belas andorinhas em pleno voo.



Obrigada, João! 

Voto de bom fim-de-semana para todos.


15 comentários:

  1. Obrigado por as colocares no OLHARES QUE SE QUEREM LÚCIDOS, GL !
    Não sabia que tinha destino tão distinto !

    NOTA : Se clicarem sobre a imagem, ela amplia bastante.

    Um beijo e outro pelo NOCTURNO.

    ResponderEliminar
  2. Respostas
    1. Olá João,

      Não tens que agradecer, ora essa! Eu é que agradeço.
      O destino só podia ser este.

      Beijo retribuído.

      P.S. Ah! As minhas desculpas pela troca do acento.

      Eliminar
  3. Que bem soube agora este Chopin...
    Bom Domingo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É sempre tão apaziguador!...

      Boa semana.

      Beijinho.

      Eliminar
  4. Olá GL,

    Este não é o meu tempo.
    Este pode ser o meu nocturno. Estas são as minhas andorinhas.

    Abraço grande e bom resto de Domingo...cinzentinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Anónimo,

      Este é o nosso tempo, quer queiramos, quer não.

      Este é o nosso nocturno, aquele que nos vale em dias/tempos cinzentos.

      As andorinhas posso partilhá-las consigo. Tê-las só para si? Não seja egoísta!...

      O Domingo teve a "arte" de me causar uma valente dor de cabeça.
      Um céu de chumbo que mais parece um manto que nos asfixia.

      Abraço grande, grande.

      Eliminar
  5. Obrigado ao ANÓNIMO que gostou das ANDORINHAS fotografadas em condições tão precárias.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei, mas tenho a sensação que o nosso anónimo também adora andorinhas.

      Beijinho.

      Eliminar
  6. São dolorosos os olhares que se querem lúcidos!

    ResponderEliminar
  7. Resistir também neste tempo

    apesar do cansaço das pontes

    ResponderEliminar
  8. Resistir ainda mais começa a afigurar-se-me uma missão impossível.

    ResponderEliminar
  9. Bonito poema e bela a escolha de Chopin para acompanhar o voo das andorinhas!
    Gostei imenso.
    Um beijinho e uma boa semana.

    ResponderEliminar