domingo, 6 de outubro de 2013

IGNÓBIL!

Simplesmente, ignóbeis, as "medidas" que os responsáveis deste tristíssimo país pretendem aplicar às pensões de viuvez dos nossos idosos.




Sim, meus senhores, sabemos, segundo a "informação" dada há pouco, que as ditas se aplicarão, por exemplo, àqueles idosos que recebem uma pensão de 5.000 euros, e acumulam a dita com a  pensão de viuvez.
 
 
 
É óbvio! Nem outra coisa seria de esperar da vossa magnanimidade, do vosso sentido de justiça, do vosso conhecimento do país real, da vossa imensa preocupação com dignidade a que todas estes cidadãos  têm direito.
 
Em nome de todos eles - cuja voz talvez não seja audível nos vossos gabinetes! - agradeço, mas agradeço muito, o vosso sentido de justiça, a dignidade que lhes proporcionam, agora, no final da caminhada.
 
E assim se faz  História!
 
 

20 comentários:

  1. Chega a meter nojo !
    Lamentávela todos os títulos !
    E vão continuar a esbanjar o dinheiro que sacam aos mais frágeis, enquanto mantêm numa cela, que podemos considerar de 5*, um Isaltino e tantos outros.
    Porque os não colocam no mesmo saco ?
    Quanto nos custa a diária desse cavalheiro ?


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já fui muito para além do nojo!
      A revolta, a indignação, a raiva.

      A diária, caro João, ainda é o menos, se esse, e todos os outros que têm sido referenciados, devolvessem, e pagassem, aquilo que devem ao Estado.
      A Justiça, ai a Justiça!...

      Eliminar
  2. A canalha anda à solta

    e a soldo
    Que gritem as ruas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anda, desgraçadamente, anda!

      E nós? Que fazemos nós?

      Eliminar
  3. Ignóbil é a palavra certa. Fiquei chocada com as notícias. "Este país não é para velhos", o título do filme americano, infelizmente aplica-se no nosso país.
    Sinto embaraço de ser portuguesa e de viver rodeada de tecnocratas, de viver cada vez mais num país desumano onde a fragilidade é oprimida pelo poder.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ana, ninguém pode ficar indiferente a estes atentados, ninguém!
      Este país é só, e exclusivamente, para novos, preferencialmente, saudáveis.
      O que se está a passar com a educação especial não é significativo?

      Sinceramente, nunca pensei que descessem tão baixo, que fossem tão longe na desumanidade.
      E até onde irão mais? Que outras medidas irão engendrar?

      E é o desespero, Ana!

      Eliminar
  4. que os mortos se ergam das tumbas! ... pois que lhe estão a ir aos bolsos....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muitos, se há vida para além da morte (este tema levar-nos-ia longe!) não se erguem, mas estão às voltas nas ditas.
      Quantos se sacrificaram por uma vida melhor? Quantos trabalharam e lutaram por uma vida melhor, quantos?
      Mas, a finalidade primeira, não será que o número das tumbas aumente significativamente?!

      Eliminar
  5. Sempre fortes com os fracos. Cobardes!
    Estou profundamente revoltada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por aí se vê a imensa dignidade de quem nos governa.
      Os mais fracos, sim, Helena, sempre os mais fracos!

      Eliminar
  6. GL,

    "Faz-se" história?

    Abraço grande

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Anónimo,

      "Faz"!
      Mas faz mesmo, não duvide!
      Não podemos esquecer que a História é feita de vários acontecimentos: bons, menos bons, maus, muito maus, péssimos, incluindo-se, nos três últimos, situações imperdoáveis.
      Não queria posicionar-me na última categoria, mas...?!

      Abraço grande, Amigo.

      Eliminar
  7. O fim, unilateral, do contrato social.
    Leia os posts que deixei lá no blogue que abordam a questão de uma outra perspectiva

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um contrato, uma justiça social, que tanto custou a construir, tanto!
      Vou ler os seus posts, sim.

      Eliminar
  8. Disse e repito: Isto é gente de delito comum!

    ResponderEliminar
  9. Muito sinceramente, julgo que a política neste país está norteada pela ideia de morte lenta. Há um genocídio arquitetado pelo nosso governo que, perante uma Alemanha a vingar-se da II Guerra, é o instrumento de aniquilação da nação.

    Ultrajante!

    Obrigada pela visita. Eu voltarei. :)

    Beijo

    Laura

    ResponderEliminar
  10. Se juntarmos a esse sentimento a consciência da nossa impotência para invertermos a situação, aí, cara Laura, a revolta grita bem alto.
    Resolvemos alguma coisa com isso? Quem sabe!...

    Obrigada por ter ficado. É bom tê-la por aqui.

    P.S. Não sei o que sucedeu ao seu comentário, que já tinha publicado e desapareceu.
    Tentei repescá-lo, só que não consigo adicionar o link. Por isso, aqui fica o endereço do: "quem és, que fazes aqui?"

    http://quem-es-que-fazes-aqui.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  11. E num instante derrubam o castelo de sonhos construído ao longo de tantos anos, testemunho vivo de uma vida de sacrifícios!. Subscrevo a sua revolta e a angústia de todos os Portugueses!
    O meu abraço de solidariedade a todos os que forem atingidos por este atentado desumano! A nossa História está de luto!
    Um beijinho para si.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O inimaginável está a acontecer!
      A pobreza via num crescendo sem fim à vista.

      Beijinho.

      Eliminar