terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Mar, meu Amor!

Mar, meu querido Mar.
Fotografia da autoria do Amigo João Menéres, do blogue: Grifo Planante, a quem agradeço a gentileza da permissão do "roubo".
 
Vamos conversar.
Diz-me. Por que andas tão zangado? Por que arrasas tudo por onde passas? Por que empobreces quem trabalha, ou vive, junto a ti? Por que matas incautos, inocentes, ou quem se cruza no teu caminho por mero acaso?
O Homem maltrata-te? O Homem destrói-te, o Homem está destruir a Natureza no seu todo?
Tens razão, Mar, tens razão!
Mas sabes?
Gosto de te ver em fúria.
Gosto da tua força incontrolável.
Gosto da tua beleza única.
 
E gosto de ti quando, mansinho, te vens deitar a meus pés.
E gosto de ti quando, docemente, afagas quem te quer bem.
E gosto de ti quando és o alimento de Homens e Mulheres, para quem és o único sustento.
E gosto de ti quando, em tardes serenas, me fazes companhia. 
 
Gosto de ti.
Gosto muito de ti.
É que quase sempre és amigo.
És a bênção, és o pão, és o modo de vida de Homens que te respeitam.
 
Acalma-te, por favor, acalma-te.
Compadece-te do Homem, esse insensato!
 
  

30 comentários:

  1. "há mar e ... mar"...

    há Mar de amar...

    beijo

    ResponderEliminar
  2. Ainda bem que há alguém que sabe falar com o Mar.

    beijo

    ResponderEliminar
  3. Obrigado, GL, por me honrares com a tua maravilhosa CONVERSA.


    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se alguém tem que agradecer sou eu. É um prazer, muito genuino, ter uma das tuas belas fotofrafias a ilustrar a minha conversa.
      Beijinho amigo, João.

      Eliminar
  4. Fiquei de coração partido a ver os estragos que o mar fez na minha praia, São Pedro de Moel.
    Até o café onde eu comia os melhores pasteis de nata foi à vida. Caramba, isto está de extremos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O nosso mar anda muito zangado, anda!
      Acredito que tenhas ficado triste! Penso já te ter dito que São Pedro de Muel é uma das minhas praias de eleição, embora, por razões várias, vá com mais frequência para a Foz do Arelho.
      Beijinho.

      Eliminar
  5. As imagens que tenho visto têm tanto de belo quanto de assustador

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem duvida! Mas se nos abstrairmos da destruição, do desastre, estamos perante imagens magnificas.
      Abraço.

      Eliminar
  6. Parece uma foto da foz do Porto...um lugar que adoro!
    Não presenciei esta tempestade...mas há já alguns anos atrás...contemplei
    uma descarga de raios e trovoadas...que parecia um maravilhoso fogo de artifício!
    Tenho muito respeito pelo mar...e dói ver a sua força destruidora e o facilitismo de muita gente que o enfrenta!
    A imagem é linda e o texto maravilhoso!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Natureza por vezes presenteia-nos com espectáculos de uma imensa beleza. Alguns assustadores, mas lindissimos.
      A fotografia do Amigo João, aliás como todas as que têm a sua assinatura, é de uma imensa beleza.
      Beijinho.

      Eliminar
  7. O mar também se chateia às vezes, o mar, não a praia que nem gosto, porque cospe a afronta dos homens...

    beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Chateia-se e com razão, tendo em conta o desrespeito com que é tratado.
      Beijinho, Lobinho.

      Eliminar
  8. Isto de mar é comigo. Como deves calcular vivo nele e nem me apercebo bem quando está mais exaltado. Um ligeiro ondular das algas mais notado que em outros dias, que até me embala para melhor dormir, é a única diferença. Mas de vez em quando falo com ele a propósito de coisas cá nossas e ele diz-me que há pessoas muito chatas que lhe "pisam os calos", que lhe invadem os domínios, que não têm a mínima consideração com ele. E avisa-me: "qualquer dia chateio-me e meto tudo na ordem". E pronto, foi o que aconteceu mais uma vez e não será a última.
    Da próxima vez que conversarmos, falo-lhe em ti, já que te dizes amiga dele. Se assim for vou ficar a saber umas coisas, que ele comigo, abre-se...
    Continua assim boa menina senão um dia apanha-te distraida e molha-te a toalha de banho...
    Bjo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, sim, caro Carapau, sei que o mar é o seu elemento, mas, e só mas, quando está calminho. Já se imaginou a enfrentar um mar bravio? Pobre de si, frágil como é!...
      Ah, ele faz-lhe confidências?! E tudo o que lhe diz é verdade. Apropriam-se de espaços que já foram dele, construindo casas, estradas, etc., e depois não querem que se zangue?
      Quanto a falar-lhe de mim não o aconselho. Ele é super discreto!
      A toalha de banho? Vou pensar nisso.

      Abraço grande.

      Eliminar
  9. Pedes ao mar que se acalme, porquê?
    Tem toda a razão em estar zangado!
    O homem é responsável pelo buraco na camada de ozono, pelo aquecimento global, pelo gelo que se derrete nas calotes polares, pelo aumento do nível do mar, pela erosão, pela construção nas dunas, não respeita a linha de costa...
    Quem respeita o mar ?

    Abraço grande

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que tem razão - assim como a Natureza no seu todo -, mas quero que se apazigue.
      Quem respeita o que quer que seja, Argos, quem?

      Abraço grande, Amigo.

      Eliminar
  10. A tua declaração ao mar é maravilhosa, tens uma ligação com ele muito semelhante à que eu tenho com ele. Com o mar revolto, mas não zangado, eu acalmo-me, ao mar eu confesso os meus segredos mais íntimos, ... não poderia viver muito tempo num local onde fosse difícil chegar perto dele.
    Querida tu és única, no meio de outras únicas, soube logo quem és, embora tivesses dado imensas pistas !
    Abracinho meu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pasmo com aqueles que têm a capacidade de viver longe dele. Hoje fui visitá-lo. Calmo, tranquilo, esquecido das maldades que tinha feito, parecia um berço no seu levissímo ondular.
      Cuidado com as pistas!:))
      Beijinho.

      Eliminar
  11. Sempre belo, manso ou em fúria!
    Sempre a amar o mar.

    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Inevitável, para quem o ama como nós.
      Beijinho.

      Eliminar

  12. Também o mar faz parte de mim. Cresci a vê-lo espreguiçar-se ou bravio e revoltado, agitado pelos tornados. Hoje para ver o mar, que me equilibra, tenho de andar muitos kilómetros, pagar portagens sobre portagens. Até isso a vida me tirou.
    Um dia, quero voltar ao mar, porque a terra não tem sentido...

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito que lhe seja difícil viver longe dele. Uma vez por outra, porque não ir visitá-lo?
      A vida por vezes parece estar "zangada" connosco, sem dúvida, mas não podemos dar-lhe demasiada importância. Esperemos que se acalme, que nos devolva aquilo que é nosso por direito.

      Beijinho.

      Eliminar
  13. GL,
    Um momento magnífico do João aliado à escrita.
    Beijinho.:))

    ResponderEliminar
  14. O João tem o dom de nos proporcionar belíssimos momentos.:))
    Beijinho.

    ResponderEliminar