quinta-feira, 20 de março de 2014

Um calvário que não acaba!



Segundo o Diário Digital, (texto e foto):

 "Barcos da Marinha italiana socorreram segunda-feira 596 imigrantes na ilha de Lampedusa, palco de centenas de naufrágios envolvendo estrangeiros que tentam chegar à Europa."


Não há palavras que descrevam a revolta, a raiva, a indignação, a fúria.
Até quando este calvário? Que mal fizeram todas estas pessoas, que mal fizeram para estarem condenadas a este tormento?
 
Caríssimos responsáveis...
Não, não vale a pena dizer-vos o que quer que seja!
Nem me ouviam? Claro que não.
Se bem que não me ouçam ainda vos digo que lamento, e muito, pertencer à vossa espécie, só isso!
 
Se ao menos tivessem um pingo, ainda que ínfimo, de respeito pelo ser humano, mas sabem lá o que isso é!
Que lástima viver neste mundo convosco.
Que lástima partilhar o mesmo universo.
 
Mas não, caríssimos, não somos todos iguais!
EU não sou IGUAL a vós, responsáveis por este drama.
Não há responsáveis?
 
Ah, está explicado o suplício, o castigo, a afronta, a condenação à morte!

14 comentários:

  1. Não devia haver imigrantes nem refugiados mas seres humanos e tratados como tal...

    um beijinho grande e amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não devia não, Lobinho, mas cada vez há mais. Seres humanos? Quem os considera como tal?

      Beijinho grande, Amigo.

      Eliminar
  2. Respostas
    1. E faz crescer uma revolta sem nome.

      Abraço, Pedro.

      Eliminar
  3. Claro que assistimos diariamente aquelas imagens e não gostaria nada de estar no meio deles; mas devo ter cabelos no coração e alforrecas na cabeça, porque "entendo" perfeitamente a situação (não quer dizer que goste). O homem foi, é e será sempre o "lobo do homem". Não acredito nada de "todos iguais, muita paz e amor!". Tretas. Haverá sempre uns do lado de dentro da muralha a defender-se e outros a tentar assaltá-la. Ad aeternum.
    Nisto sim, eu acredito. Por muitas comoções passageiras por que possamos passar.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não posso deixar de te dar razão. O homem é o predador de si próprio, pena é que seja só dos mais fracos. Sei, tenho a certeza (desgraçadamente) que a igualdade é uma utopia, mas há situações extremas que não consigo - acredita, é uma verdadeira incapacidade - aceitar.
      Se soubesses a revolta que situações destas me provocam!...
      Não, não estou a armar-me em boazinha, nem pensar, mas não aceito que ninguém tente, pelo menos, minimizar este problema.

      Abraço, Amigo.

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Crua e dolorosa, muito dolorosa!

      Beijinho.

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Um mundo "cão", com o devido respeito pelos nossos amiguitos.

      Eliminar
  6. Não tinha visto este post. O blogger anda a enganar-me demasiado e acabo por não ver as atualizações de todos os blogs que sigo.
    Mas esse calvário continua e de que maneira. Ontem também foi tema meu.

    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um drama sem fim à vista, Helena!
      E o mundo indiferente, cada vez mais longe de dramas que deviam ser a vergonha de quem os podia evitar/minimizar.

      Beijinho.

      Eliminar