sexta-feira, 11 de abril de 2014

A frase!

Há momentos infelizes, outros maus, muito maus, este foi um deles.

"Capitães de Abril" ausentes da sessão dos 40 Anos no parlamento - Política - Notícias - RTP

Sua Excelência, a Sr.ª Presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, recusa a pretensão dos Capitães de Abril, ou seja, não lhes permite que falem no plenário. Perante esta recusa os mesmos decidem não estar presentes na cerimónia.
Até aqui? Bem, até aqui, penso que todos conheciam as "regras do jogo", logo...
A estranheza vem depois, quando a Sr.ª Presidente Assunção Esteves, informada que perante a recusa da permissão em poder falar os capitães se recusam a estar presentes,  afirma num tom "amistoso", "simpático", "cordial: "o problema é deles".
 
O problema será só deles?
Com o devido respeito que V.ª Ex.ª me merece pelo cargo que ocupa, permito-me dizer-lhe esta coisa simples: há muita maneira de dizer as coisas.

22 comentários:

  1. A senhora anda anormalmente excitada. Humm...

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O esquecimento parece-me mais grave!...

      Abraço.

      Eliminar
  2. Uma frase triste.
    40 anos são 40 anos e os capitães foram os responsáveis pela viragem. Porque não dar-lhes a palavra? Em jeito de comemoração é claro!
    Têm receio de os ouvir porque não agradaria de certeza...
    Beijinho. :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, ana, a "coragem" não dá para tanto!
      E assim se vão conhecendo melhor as pessoas, ou seja, o seu carácter.

      Beijinho.

      Eliminar
  3. Esta senhora tem tido momentos "muito maus" o "problema é dela" mas afecta todos nós...
    Abracinho meu!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O problema é que o dito não é dela, é apenas nosso.
      De início ainda tive alguma esperança que a verticalidade fosse uma das suas qualidades. Cedo me apercebi de quanto estava enganada.

      Beijinho sem embrulho.

      Eliminar
  4. O mundo da política é complicado demais para a minha cabeça...mas ainda bem que há "capitães" de ABRIL!!! bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um mundo do qual quero distância. A questão, o grave, é que a nossa vidinha é regida por quem lá está.
      Quer queiramos, quer não, temos para com eles uma dívida de gratidão, logo penso que deveríamos agir de acordo com essa realidade.

      Beijinho.

      Eliminar
  5. o problema é nosso - Povo de Abril!...

    beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desgraçadamente assim é!

      Beijinho, Amigo.

      Eliminar
  6. Respostas
    1. O que é lamentável vindo de uma das mais altas personalidades do País.

      Eliminar
  7. Esta fulana é pimba, rude, provinciana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pedro,

      Tem sido uma desilusão, esta é que é a realidade.

      Eliminar
  8. Eu podia dissertar aqui sobre a situação criada,sobre quem deu o pontapé de saída neste não caso, sobre a senhora ser "provinciana" (só para usar uma palavra que alguém já aqui usou e de que não gosto, pois também sou provinciano), mas não vou dizer nada a não ser que a resposta que a Presidente da Assembleia deu, deve ter sido aprendida com aquele fulano da "melena e pá". É tudo boa gente.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro(a) PM,

      Bem-vindo(a)!
      E como eu gostaria que dissertasse! Aprecio uma boa discussão, não daquelas que não conduzem a nada, mas das que nos deixam a pensar. Tanto quanto me parece, o seu "perfil" encaixa-se, na perfeição, no grupo em causa.

      Vamos, então, conversar.
      O autor do pontapé de saída, aqui, é irrelevante. Pense comigo, por favor.
      Há hierarquias, certo? Há lugares de extrema responsabilidade, assim como outros que nem tanto. Concordamos? Óptimo!
      Continuemos neste registo. Penso que não podemos exigir a todos, ou melhor, a qualquer destes intervenientes, o que deu o pontapé de saída e que rematou à baliza a mesma lisura no trato sob pena de termos alguém que é castigado. É que há uma coisa, essa sim, que se exige a ambos, ou melhor, a todos, chamada respeito, e foi essa que falhou.
      O autor da famosa "melena e pá", tanto quanto me lembro, é um apreciador do calão -à semelhança de muitos militares -, logo não me surpreende nem choca esse tipo de linguagem, só que à primeira interveniente há atitudes/comportamentos que estão vedados, ainda que a "escola", eventualmente, tivesse sido a mesma.
      Ainda está aí? Ok!
      Se alguém lhe chama provinciano(a), fique aborrecido(a)? Por Deus!... Porquê? Eu sou lisboeta e chamam-me alfacinha. Também não gosta? Eu gosto, e muito. Considero-o um elogio, e dos grandes!
      Em síntese, e voltando à essência da nossa troca de ideias..
      "É tudo boa gente", afirma. Percebo o que quer dizer, só que há pessoas com responsabilidades tais que não podem, não devem, ter este tipo de comportamento.

      Só uma questãozita. Não seria pertinente/normal que os Capitães estivesses presentes, que pudessem dizer aquilo que tivessem por conveniente? Ou muito me engano, ou o problema é mesmo esse!

      Abraço? Perdoar-me-á, mas o seu "nome" assusta-me um pouco!
      Mas, sim, um abraço.

      Eliminar
  9. Respostas
    1. Ou conseguido da forma inversa ao suposto. :)

      Abraço.

      Eliminar
  10. a capa de democrata em todos estes pseudo-democratas está a descascar-se e fala quem até ficou contente por ver uma mulher no cargo, enganei-me
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sei, (se bem que haja excepções, claro!) que a mulher em lugares de chefia constitui um "perigo". Vingança de exclusões antigas? Talvez!
      Quanto a estes democratas? Valha-nos Deus!...

      Eliminar