sábado, 12 de julho de 2014

O BES e nós!


Esta noite acordei em sobressalto.
É que receio que se esqueçam de nós para dar uma ajudinha na recuperação/salvação/"aguentação"/ (vocábulo inexistente? Que importa isso!) sobrevivência do BES.

Segundo o Expresso (aqui)"... E Bruxelas lembra que, caso a situação se deteriore de forma acentuada e o Estado seja chamado a intervir, o governo dispõe de 6,4 mil milhões de euros do resgate financeiro que eram destinados à banca que ainda não foram usados e que, em princípio, seriam mais que suficientes para acomodar a atual crise...."

Pois, o problema é esse: "seriam", e se "não forem"? 



Caros senhores, estamos à vossa inteira disposição, disponham.

NOTA: Sublinhado meu.


25 comentários:

  1. Não confio nos bancos e muito menos no governo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se houvesse alguém em quem pudéssemos confiar, isso sim, seria óptimo!

      Eliminar
  2. GL,
    Quando a questão rebentou passou-me pela cabeça que cá está o zé povinho... depois quis esquecer.

    Não Senhor Ministro...NÃO.

    Beijinho. :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ana,

      O facto de alguns membros do governo virem afirmar que os contribuintes não irão pagar mais este desastre, inquieta-me ainda mais.
      Bem sabemos o que vale a palavra destes senhores.

      Beijinho.

      Eliminar
  3. "Se não forem"... o problema agrava-se consideravelmente e todos pagaremos, disso não tenho dúvidas (ninguém as terá, suponho).
    Seja qual for o problema que nos surja pela frente ( e tantos já surgiram e tantos outros hão-de surgir) a maneira é encará-los de frente e desejar que sejam o menor possível, porque uma coisa é certa: duma maneira ou de outra serão sempre resolvidos.
    Aguardemos.

    Deixei um comentário no post anterior e expliquei porque "só agora".
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostava (?!) de ter essa filosofia de vida. Que tudo se resolve sabemos nós, a forma como se resolve é que assusta. Sobra sempre para o mais fraquito, PM, e sabes bem que assim é.

      Abraço a um optimista, de alguém que não é assim tanto.

      Eliminar
  4. Parece que a coisa está controlada... pelo menos por agora... Seja como for, já fez estragos e é assim que se molha o mexilhão...

    beijinho amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece, dizes bem Lobinho.
      Aguardemos, se bem que a fé não abunde.

      Beijinho, Amigo.

      Eliminar
  5. gostei da ironia: "senhores, disponham"...

    aqui estamos - bem esfolados!

    beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O problema é que a arte e o engenho levam a descobrir sempre mais um pedacinho de pele que tinha escapado.

      Abraço.

      Eliminar
  6. Este também deve ser dos tais que é demasiado importante para falir.
    Paga Zé Povinho :(

    ResponderEliminar
  7. Já dei uma ordem de transferência permanente para que os filantropos do governo disponham do que tenho e não tenho. Desde que seja para salvar o BES, claro.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ai, ai, jrd, triste sina a nossa!

      Abraço.

      Eliminar
  8. Também nestes não confio
    nem nas impressões digitais

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é por nada, mas quer-me parecer que nem isso têm!

      Eliminar
  9. Veja, ou reveja, o documentário que hoje publico.
    Explica tanta coisa.....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Pedro.
      Ainda não tive oportunidade mas vou ver, ou rever, não sei.

      Abraço.

      Eliminar

  10. Voltando aos poucos. Desculpa, GL, pelo meu silêncio.

    Quanto ao BES? Nem me pronuncio...

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tens que pedir desculpa, ora essa.
      E eu, não ando num vaivém?!

      O BES é um susto, aliás, o mundo é um susto.

      Beijinho.

      Eliminar
  11. O pior é que a economia financeira é um mistério...
    Beijinho, GL

    ResponderEliminar
  12. O pior é que a economia financeira é um mistério...
    Beijinho, GL

    ResponderEliminar
  13. Mais do que um mistério, uma calamidade para a maioria, uma sorte para os eleitos.

    Beijinho.

    ResponderEliminar