segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Ensandeceram, decididamente ensandeceram!

Alguém é capaz de explicar o que está a acontecer este ano com a (des)colocação dos professores?

Já nos habituámos a que o início dos anos lectivos sejam sempre problemáticos, mas muitos parabéns, é que este ano esmeraram-se.

E ouvem-se meia dúzia de vozes de protesto, e vêem-se professores com a vida completamente desorganizada mas não acontece nada.

Que marasmo é este?
Não há responsáveis a quem pedir explicações, a quem exigir que assumam a responsabilidade pelo transtorno que estão a causar, quer a docentes, quer a discentes e respectivas famílias?

Em que espécie de invertebrados nos tornámos?

Inclassificável tudo isto, lamentável a "resposta" dada por todos aqueles que estão a ser vítimas desta belíssima gestão.

A passividade, como tudo na vida, tem verso e reverso, logo...
... se nada mais há a dizer/fazer somos levados a concluir que todos temos o que merecemos.


28 comentários:

  1. Já ouvi pedidos de desculpas na Justiça, na Educação.
    Mas não vejo o mais importante - alterações e responsabilização

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esse é o caminho mais fácil, só que não conduz onde quer que seja.

      Abraço.

      Eliminar
  2. Mas este ano...é um exagero!
    Parece-me que há falta de coordenação entre serviços e má vontade de muitos outros!
    Uma sequência de burrices!!!
    Bj amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É demais, é! E como sempre não há responsáveis.

      Beijinho.

      Eliminar
  3. Contado, ninguém acredita...Mas que vergonha!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma vergonha que não afecta quem devia: os responsáveis por uma situação intolerável.

      Beijinho.

      Eliminar
  4. GL,
    Leia o artigo do Público sobre o Crato, está muito bom.
    Beijinho.:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já li, Ana, e que pertinente é! Obrigada pela dica.

      Beijinho.

      Eliminar
  5. "...se nada mais há a dizer/fazer somos levados a concluir que todos temos o que merecemos."

    Quantas vezes eu já disse isto aqui, a prpósito de muitas outras coisas? Quantas?

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Resta-me concordar! :(
      Bem queria que alguns, pelo menos alguns, se demarcassem desta praga que assola a sociedade, mas começo a ficar com a sensação que já nem as excepções são viáveis.

      Abraço triste.

      Eliminar
  6. Hoje venho , apenas , deixar um agradecimento embrulhado num grande e forte abraço .
    Mais tarde voltarei . . .

    Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada!
      Por favor, volte logo que possível. É que as suas cores ajudam a alegrar os dias, a ver a vida de uma outra forma.

      Até já.

      Abraço amigo.

      Eliminar
  7. temos?

    quem? ... quando?...

    somo todos iguais, mas alguns (poucos) diferentes...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O problema é esse mesmo. Onde estão os diferentes?

      Eliminar
  8. As colocações de professores deveriam ser em razão distrital e nunca nacional. Os juízes e médicos têm ajudas de custo, (os juízes até casa), mas os professores estão completamente entregues a si próprios e assim se desfaziam à partida imensas injustiças...

    Beijinho amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E os responsáveis não percebem isso? Acreditava no Crato, considerava-o um homem que sabia o que fazia, e agora...? Não, é mau, muito mau tudo isto!

      Beijinho, Amigo.

      Eliminar
  9. É , mesmo muito mau .
    Porém , e lamentando , concordo que estamos a ter o que merecemos .

    O aceitar o " chicote " vem de longe . . . e eles sabem . . .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E não há forma de inverter o processo?
      Parece que não!
      Sina, fado, destino, chame-se o que se quiser, mas a sensação é que, de facto, não há saída.

      Eliminar
  10. Voltei e resolvi dizer mais algumas coisas. Ultimamente tenho pensado em como seriam feitas as colocações dos professores (certamente que todos os anos havia que fazê-las) no tempo em que não havia computadores e tudo era feito “manualmente”. Nunca tivemos conhecimento que houvesse grandes falhas ou problemas. Então com o avanço da informática aparecem estes graves problemas? (Note-se que na justiça o problema também foi deste tipo). Que se passa então? Confiança cega em sistemas que são, por sua vez, cegos? Incompetência dos técnicos que sabem tanto, tanto, que fazem programas informáticos, que falham uns atrás dos outros? Há, parece mais que certo, uma grande falha de senso comum para encarar tudo isto. E esta falta de senso comum é que me parece a grande falha dos “tempos modernos”. E já nem falo em bom senso, pois isso é que seria óptimo.
    Concluindo: não deixar as coisas importantes (e que até podem ser simples) só nas mãos dos técnicos, que são necessários, mas que em geral têm os horizontes muito reduzidos. Disse.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora seja muito bem (re)vindo! :)
      O estranho é isso mesmo (ainda há factos capazes de nos causar estranheza?).
      A falha dos sistemas informáticos da Administração Pública não é de agora, o que, não só não explica esta barafunda, como não se percebe tendo em vista o que referes, ou seja, a evolução da informática.
      A Justiça? Só quem não faz a mínima ideia de como funciona (ainda?) o sistema informático é que não percebe que era impossível fazer a migração dos milhares de dados, constituintes de tantos processos, num prazo de tempo tão curto.
      Os sistemas falham? Ok! Mas não era suposto serem testados?
      Sabes? De uma maneira geral, os programas informáticos eram (são?) realizados por empresas, empresas que são pagas. O que sucedia(sucede?) é que eram selecionadas sempre as que faziam os preços mais baixos, logo, menos capazes. Resultado? Asneira atrás de asneira, sem solução à vista. Vi este "filme" n vezes, mais do que as que desejaria dado o transtorno daí resultante. Mas agora? Enfim, as coisas evoluíram imenso, logo, não há explicação razoável, e muito menos, tolerável.
      Há falta de senso comum, há falta de vontade, há falta de bons gestores de RECURSOS HUMANOS, há falta um pouco de tudo.
      A que técnicos te referes quando sugeres que não seja deixado nas suas mãos as coisas importantes? Não te esqueças que a Administração Pública tem técnicos, de carreira, em variadíssimas áreas.
      Não, Amigo, bom senso é coisa que caiu em desuso.

      Disse!
      Sim, que eu também digo. :)

      Eliminar
  11. E o tempo vai passando e as coisas não se compõem!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não há fim à vista, não! Nem sequer melhoria, para desgraça nossa.

      Eliminar
  12. A coisa está preta

    mas nem todos merecemos o descalabro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E não parece querer mudar de cor. Há vontade nesse sentido?...

      Eliminar
  13. Olá GL,

    Concordo com "PM" duas vezes!

    Abraço grande

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Argos,

      Ai é? E era preciso bisar? Então está bem!
      Não lhe digas nada, mas a verdade é que também concordo. Regra geral este PM, ao contrário de outro que todos conhecemos, faz análises pertinentes.

      Será que o dito desce ao rés-do-chão, ou seja, vem até aqui?
      Huummm. :)
      É que se não vier não se apercebe dos teus aplausos. :)

      Abraço grande.

      Eliminar