segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Nem mais!


Ora leiam, e depois, se for de vossa livre e espontânea vontade, façam o favor de opinar.





Segundo Araújo Pereira, e passo a transcrever:
 
"(...) De onde vem a má reputação dos cães? Nos livros, aparecem quase só para morrer. (...) Os gatos, por outro lado, têm um prestígio literário impecável.
Quando, há pouco tempo, passei a ter um gato, comecei a perceber a razão do fascínio. De facto, é um bicho que nos despreza de uma forma muito elegante. Está evidentemente convencido da sua superioridade em relação a nós - e é capaz de ter razão. Mas continuo firme no meu entusiasmo em relação aos cães. Os gatos sabem qualquer coisa; os cães são tão estúpidos como eu - o que lhes dá um encanto muito especial. Os gatos parecem ter uma informação importante acerca do que é isto de estar vivo; os cães não fazem ideia do que andam aqui a fazer. Acham quase tudo espantoso e não têm vergonha desse maravilhamento constante, apesar de ser tão parecido com estupidez. Os cães são crianças, os gatos são filhos adolescentes: também nos amam, embora com alguma relutância, acham mesmo que são independentes, e às vezes estão escondidos num armário. É a adolescência sem tirar nem pôr.
 
Pereira, R. A. 2014. "Sobre cães e gatos". Visão, n.º 1130. 30 de Outubro a 5 de Novembro, pg. 106.
 
Que tal?!  
 
 

18 comentários:

  1. Continuo a achar que são os gatos que escolhem o dono e não o contrário. E que são deveras inteligentes, sensíveis e fiéis aos donos que escolheram, além de estarem sempre ao pé de nós quando mais precisamos e nos amarem incondicionalmente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tenha dúvida, Sandra!
      Conheço bem essa realidade, estranha para muitos, porque a vive durante 16 anos. O gato sabe ser amigo como poucos, o amigo presente, aquele que está sempre connosco.
      Compreendo aqueles que não entendem, provavelmente nunca a vivenciaram esta bela relação.

      Beijinho.

      Eliminar
  2. Ehehe
    Está bem apanhado.
    Mas os cães, como mais crianças que são, são mais dependentes... E isso vai pesando (digo eu que tenho uma cadela linda que adoro!)
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dá um imenso gozo ler Araújo Pereira, mesmo quando se trata de assuntos aparentemente tão simples como este.
      Aqui para nós, e não te zangues: concordo inteiramente com ele. Tive uma gata, agora tenho um cão e sei a diferença comportamental entre uma e outro.
      Às vezes olho para a amostra de cão que, deitado, olha para mim num olhar - como é que o hei-de definir? - pateta, é isso, pateta. Posso zangar-me, ralhar com ele quando faz asneiras, como por exemplo fazer da carpete urinol, que o pobre continua a olhar-me do mesmo modo. Um olhar manso, doce. Mas que raiva! Se acabo de ralhar com ele?!
      A minha gata? Se me zangasse com ela estava, no mínimo, uma semana sem "ver". Passava, com ar altivo, e ia-se embora.
      Devo ter alma de gata, só pode! :)

      Beijinho

      Eliminar
  3. Veja Cats and dogs de George Carlin no Youtube.
    Está lá tudo bem explicado :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela dica, Pedro.
      Ainda não tive oportunidade mas não esquecerei a sugestão. :)

      Eliminar
  4. É bem interessante a opinião!
    Eu não tenho gato...por isso o que si é do que oiço!
    A minha cadelinha...é uma companheira!!!
    Bj amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também me pareceu! :))
      A minha amostra de cão provavelmente vem com defeito. Passa o dia enroscado, a dormir. Comportamento de gato, dirão alguns. E eu acrescento: de ALGUNS gatos. :))

      Beijinho

      Eliminar
  5. Devo ter lido livros muito esquisitos, porque sempre encontrei neles cães especiais, acima de qualquer suspeita, diria. De gatos, isto é, de livros que falassem de gatos, não me lembro de nenhum. Talvez eu tenha uma memória muito seletiva, pois toda a minha vida "animal" foi com cães (sempre falei com cães e eles comigo, mesmo quando zangados) e com gatos não falo, nem eles se chegam perto (ainda bem, largam muito pêlo :)
    Não é por acaso que muita gente vende gato por lebre, e não cão por lebre. Cão é sempre cão mesmo quando é vendido (nos restaurantes chineses :)) . Cão apanha lebre, não apanha gato. (Ainda que hoje em dia haja uns rafeiros que já não se dão ao respeito...)
    Em duas palavras: cão sim, gato não. (Nunca nenhum cão me arranhou...)
    Abraço (de cão) :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caríssimo PM,

      Não "deve" ter lido livros esquisitos, leu MESMO, ou então não leu nada "acerca de" ou cujo protagonista era um elemento da raça canina.
      Memória selectiva? Ai é? Está bem! V. Senhoria baptizará essa lacuna como muito bem entender.

      Como não quero que lhe falte nada, aqui ficam apenas alguns, poucos, títulos.

      Amado, Jorge - O gato malhado e a andorinha Sinhá.
      Myron, Vicki - Um Gato entre Livros.
      Perrault, Charles - O Gato das botas.
      Bulgákov, Mikhail - Margarita e o Mestre.

      Diga lá, nem o Gatito das botas leu? Mas isso é grave! :))

      Vender gato por lebre. Mas quer maior elogio? A lebre é um espécime muito apreciado pelos amantes da boa mesa, logo...

      Cão não apanha gato? Ah, mas pode ter a certeza que não!

      Em três palavras: gato para sempre, cão nunca mais.

      Abraço de cão igual ao meu? Não, muito obrigada!!!!

      Eliminar
  6. Eu admiro ambos, mas se só pudesse ter um cão ou um gato, optaria sempre por um cão.
    Em relação a serem dependentes ou não, os meus animais são todos dependentes. A gata Sofia é a pior.
    Interessa mesmo é dizer não ao abandono. É que uma pessoa vem lá dos países nórdicos para aqui e até sente vergonha (ainda mais). Naqueles países, onde se entra com um cão dentro de centros comerciais e nos cafés servem imediatamente água aos animais.
    Somos tão atrasados. Obtusos.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora aí está! É desta!
      Sô dona Nadine, repare.
      Diz que se pudesse optaria sempre por um cão. Sim, já sei que isso era se só pudesse ter um, mas esqueçamos esse pequeníssimo pormenor.
      Diz, aliás acusa, a lindíssima gata Sofia de ser a pior.
      Assim sendo:

      Nadine, dá-me a Sofia, dás?

      Agora muito a sério. O que importa mesmo é que não abandonem os animais, isso não. Se não os podem ter, se a vida se complicou, se, se, ... é necessário arranjar uma solução, solução essa que não (devia) passa pelo abandono.

      Não nos podemos comparar aos nórdicos em nada e, se queres que te diga honestamente, em algumas coisas dou graças a Deus por isso.

      Beijinho.

      Dá-me a Sofia, dás?! :))

      Eliminar
  7. Eu tenho uma gata, ou melhor, ela adoptou-me... Está bem, ela é a dona!
    Eu prefiro gatos e tu?
    Nao vale o politicamente correcto nem a discriminação positiva! :-)

    Abraço? Só depois daresposta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Adoptou-te? E conhecia-te bem? Foi enganada, a pobrezita! :)
      A dona já me soa melhor. :)

      Tu preferes gatos, eu adoro gatos, penso ter respondido à questão.
      Politicamente correcto", ou "discriminação positiva"? O que é isso?!

      Abraço? Não mereço? Ah, já fechei as unhas!!!!

      Eliminar
  8. quem não tem cão, caça com gato...
    quem não tem gato, nem cão
    ou não caça - o que é chato
    ou tem que caçar à mão...

    beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O melhor é esquecer a caça! É que caçar à mão não dá muito jeito!

      Beijo

      Eliminar
  9. Respostas
    1. É bom ter-te de volta!

      Uma questãozinha simples: já tiveste algum gato? Já? É estranho que não gostes deles.
      Não? Então como sabes que não aprecias? :))

      Beijinho.

      Eliminar