domingo, 14 de dezembro de 2014

Prece.

Há dias, numa das muitas passagens por Alvalade, paro num sinal vermelho.


Olhar distraído, de repente algo chama a minha atenção.
Um homem aproxima-se da estátua de Stº. António existente no local, faz uma genuflexão, seguida de um curvar de cabeça. Num recolhimento breve a oração que se impunha, a oração que se lhe impôs.
Que prece teria sido a daquele Homem? Que força, que urgência, que necessidade o levou a parar, a orar? Seguimos, cada um de nós, o nosso caminho. Só que a imagem do Homem em prece continua, bem viva, na minha memória.
Pequenos nadas, dirão. Ou grandes "nadas", temo eu.

20 comentários:

  1. Pode ser o santo de devoção da pessoa.
    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma hipótese.

      Continuação de bom Domingo.

      Eliminar
  2. São momentos como este que enchem nossos corações de ESPERANÇA!!!
    Bj amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De esperança mas também de alguma inquietação.

      Beijinho.

      Eliminar
  3. Tudo pode ter passado pela cabeça do homem. Como o Santo tem fama de casamenteiro, quem nos diz que o homem não lhe estava a pedir uma noiva?
    Eventualmente sozinho (e habituado a estar acompanhado) foi pôr o Santo à prova.
    Digo isto meio a brincar, mas...
    Uma outra hipótese, mais chata, tem a ver com "uma casa" que existe nas redondezas...
    Bom Natal!
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todas as hipóteses são de considerar. Quem sabe se a prece não era a pedir por um qualquer PM? Sim, é que há vários!!!!!
      Ui, valha-me o dito santo!

      Abracito.


      Eliminar
  4. as orações são urgentes. sempre...
    mas nem sempre resultam!

    enfim, Stº António tem fama de milagreiro...

    beijoo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, nem sempre resultam, só que quando nem a fé escapa...

      Beijinho

      Eliminar
  5. Há alturas na vida, que quando nada resta, resta o apego à Fé...quem sabe o que se passará na cabeça de quem perante uma Estátua de Santo António Ora!
    Certamente não será devido a nenhuma "casa" que há nas "redondezas" e que pelos vistos um "ilustre comentador" parece conhecer...será que por lá também se fazem "milagres"????
    E mais não digo...
    Beijinho grande com um sabor a época natalicia
    Teresa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida! Não fora o suporte da Fé e muitas situações seriam ainda mais intoleráveis.

      Não sei a que "casa" se referirá o "ilustre comentador", temos que lhe perguntar. :))

      Beijinho.

      Eliminar
  6. Conheci um senhor que padecia de uma doença neurodegenerativa e sempre que passava por uma igreja parava uns instantes para agradecer mais um dia de vida em que teve a oportunidade de estar com aqueles que amava. Vivia cada dia como se fosse o último.
    Conseguia ser feliz e agradecido pelo que tinha conseguido da vida.

    Outros estariam revoltados e achar que era uma injustiça.

    Abraço grande

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Argos!

      Um grande obrigada pelo teu comentário. São testemunhos como o que aqui deixas que podem alertar as pessoas para realidades com que nem sequer sonham. Uma vidinha sem altos e baixos, sem sustos dignos desse nome, leva-as a agradecer o quê? A graça de terem saúde, de a vida lhes correr bem? A maioria nem pensa nisso. É normal, é assim, ponto.
      Simples, não?!
      Pois! Só que a vida não é linear para todos. E são esses, os que sentem na pele o peso das dificuldades - quer se trate de doença ou quaisquer outras -, que mais gratos ficam, que sentem necessidade de agradecer uma qualquer bênção que lhes seja concedida, ainda que pequena, ainda que passe completamente despercebida aos olhos dos distraídos.

      Obrigada, uma vez mais, pelo teu testemunho.

      Abraço grande, grande.

      Eliminar
  7. Discordo de um comentário aqui deixado. As orações resultam sempre, não pode é ser tudo como nós desejamos. Deus sabe o que é melhor para cada um de nós.

    Agora é a parte em que os ateus falam da fome no mundo, da violência, das doenças..., mas o comentário do Argos está maravilhoso, é tal e qual assim que penso e vivo.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Nadine, pela tua postura, por essa maneira de estar na vida, por essa forma de entrega. E pela força, e pela determinação, e por um querer que, por vezes, parece não caber no humano. És uma abençoada, sim, cada vez tenho uma maior consciência disso.

      Beijinhos.

      Eliminar
  8. Eu arrisco nos "grandes" nadas. E sei que não corro o risco de me enganar...
    A fé verdadeira não escolhe lugar para se expressar; e, embora eu não seja muito dada a rezas, respeito e admiro quem tem a "ousadia" de, (não se importando com o que os outros possam pensar) ajoelhar-se defronte da imagem de um qualquer santo (ou santa), colocada em qualquer local público da cidade, e assim proclamar a sua crença.
    Gostei da atitude, gostei que a amiga a tenha partilhado.

    Aproveito para desejar
    UM FELIZ NATAL, COM HARMONIA E PAZ, E MUITO AMOR NO CORAÇÃO.

    Beijinhos
    Mariazita

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Situações como esta levam-me sempre a pensar no "porquê" que conduziu às mesmas. Não é por acaso que alguém toma esta atitude. Gratidão, ou aflição, penso serem as causas mais prováveis.
      Esta "mania" de olhar o Outro conduz-me até aqui, e leva-me a orar com ele, por ele, seja qual for o motivo da sua oração.

      Santo Natal.
      Beijinho.

      Eliminar
  9. Um acto intimista de fé. Que a prece seja ouvida.
    Feliz Natal, GL, com a harmonia que deseja.
    Beijinho. :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que a prece seja ouvida, sim.
      Obrigada, ana, pelos seus votos, que retribuo.

      Beijinho.

      Eliminar