domingo, 22 de março de 2015

Inquietações, dúvidas, medos.


Algum de vós já leu este ensaio da autoria de Miguel Real? Trata desse problema imenso que é a eutanásia, aqui denominada "morte livre".
Apenas folheei, meramente ao acaso, uma página aqui, outra ali, logo ainda não tenho opinião formada.


No início da contra capa pode ler-se: "A eutanásia deve legal e moralmente obedecer a princípios racionais (liberdade e dignidade humanas) e assentar no principio ético da bondade activa (o princípio da compaixão como prática racional do bem)"
 
 
Inquietam-me as consequências que uma legalização poderia acarretar.
Duvido da bondade da intenção de alguns que decidissem pelo próprio.
Temo pelo que seria (muito provavelmente) feito a coberto da dita "compaixão".   
 
Estamos perante um tema demasiadamente sério onde os conceitos podem constituir uma armadilha. 
Um livro que  me (nos)  faz, de certeza, pensar.

Fica o convite de leitura para todos aqueles que se interessarem por esta problemática.


18 comentários:

  1. Sem dúvida uma temática, bastante pertinente, GL...
    Se temos liberdade, oportunidade e desejo de ter uma vida digna, da forma que entendemos vivê-la... porque não em relação à decisão da nossa morte?... Se assim o entendermos, no pleno uso das nossas faculdades mentais... porque não? Ou aconselhado por alguém devidamente competente, e devidamente acreditado para o efeito que ateste um sofrimento contínuo, físico ou psicológico, atroz, em caso de doenças terminais, degenerativas, congénitas, ou resultante de um grave acidente?...
    Se eu posso comprar um xarope para a tosse... porque não, um remédio que me adormeça e não me acorde, sem sofrimento, se eu assim o entender e desejar para mim?...
    Pode ser uma forma radical de ver as coisas, mas é assim que eu penso...
    Ninguém pode impedir um suicídio de uma pessoa que o entenda fazer, e tenha meios ou oportunidade para tal, no âmbito do seu livre arbítrio, e por vezes com um resultado bastante mal sucedido, de consequências nefastas... então, porque será condenável um suicídio assistido, em que a pessoa estará acompanhada, até ao seu fim, como já se pratica no estrangeiro, seja porque motivo for, e na altura que melhor entender, e estando no pleno uso das suas capacidades, tendo ela sempre a opção final até ao fim?...
    Um post que realmente nos obriga a reflectir profundamente...
    Beijos
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O meu receio é que sejam outros a decidir, isto no caso da pessoa já não estar no pleno uso das suas faculdades. Que seja o próprio - e mesmo assim coloco algumas reticências! - a manifestar essa vontade, enfim, admito que seja um direito que lhe assiste, mas temo, e muito, sabes por quem? Pelos mais velhos.
      Ou muito me engano, ou com a "qualidade" da bondade, do amor que campeia por aí, os pobres velhos - para falar só deste grupo, outros há! - já de si, muitos deles tão indefesos, os filhos, os cuidadores, quem os tivesse a cargo, que decisão tomariam? Ai, Ana, estou tão descrente do Homem!

      O suicídio é uma opção que assume outros contornos. Também aí entram vários factores, desde o desgosto da família, principalmente se se trata de jovens, às consequências dramáticas quando o acto falha. Assisti, há poucos anos, à tentativa de suicídio de uma adolescente que morava no prédio frente ao meu. Acreditas que há alturas, ainda hoje, em que me parece ouvir o som do corpo a embater na calçada? Resultado: não morreu, fez diversas fracturas graves, esteve hospitalizada imenso tempo. Melhorou, ficando com problemas ao nível da locomoção. Passado algum tempo, nova tentativa, esta também falhada. Aquela mãe envelheceu anos, num espaço de tempo curtíssimo.

      Esta temática levar-nos-ia longe, muito longe.:(
      Em jeito de síntese saliento uma vez mais. Considero que o perigo maior da eventual legalização da eutanásia reside naquilo que poderia suceder àqueles que não estivessem em condições de decidir o que pretendiam fazer da sua vida de forma lúcida.

      Beijinho.

      Eliminar
    2. E contudo... também nós que vivemos no pleno uso das nossas faculdades mentais... estamos à mercê, de quem decide as nossas vidas, por nós... veja-se como os nossos governantes decidem as nossas vidas e destinos... e condicionam as nossas escolhas e opções de vida, com os condicionalismos que nos impõem... também de uma certa forma, se poderá considerar um suicídio lento de um povo, com tantas limitações no ensino, na saúde, na justiça...
      Tudo nesta vida, é tão relativo... e de certa forma, nunca seremos tão livres para decidir a nossa vida, conforme desejaríamos...
      Um grande post, este... que daria pano... para mangas... extensível a muitas áreas, da vida...
      Beijinhos
      Ana

      Eliminar
  2. GL,

    Lembras-te do que me disseste quando te falei de " Mar Adentro" e de "Morte Assistida"?

    Abraço desassossegado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Argos,

      O que foi que disse? Queres recordar-me? Ah, pois!...

      Abraço grande e nunca desassossegado, pode ser?!

      Eliminar
  3. Ainda não li e registo a sugestão de bom grado.

    ResponderEliminar
  4. Já li muito sobre o assunto. Já temos em vigor o "testamento vital" que não é a "prática da eutanásia" mas a não continuação de tratamentos dolorosos, tão dolorosos e corrosivos, mas sim coisas que nos levam a dizer, neste caso afirmar "deixai-me partir sem sofrimento", tirando de cima de quem fica esse fardo de...

    Subscrevo o comentário de Ana Freire

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O "testamento vital" parece-me ser o caminho. Aí há a certeza que é o próprio, o interessado, que decide, não havendo interferência daqueles a quem "convém" que o sofrimento acabe. Nisto, como em quase tudo, a hipocrisia campeia.

      Beijinho.

      Eliminar
  5. Eutanásia é um tema bem pertinente...e eu nem sei o que pensar sobre o assunto...pois fico bem dividida!
    Sugestão de leitura a ter em conta!
    Boa semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um tema delicadíssimo, sim, que não pode ser resolvido de ânimo leve.

      Beijinho

      Eliminar
  6. Boa semana GL

    Sempre defendi a eutanásia
    Um dia, se eu achar que já chega de sofrer, eu quero praticar a eutanásia!
    ...
    como escreve a Ana:
    Se eu posso comprar um xarope para a tosse... porque não, um remédio que me adormeça e não me acorde, sem sofrimento, se eu assim o entender e desejar para mim?...

    Precisamente 1 mês depois do meu post no blog "MOMENTOS PERFEITOS" regressei...
    22/Fev - 22/Março

    é verdade que estive muito absorvida com os meus fotolivros

    vou fazer agora uma pausa de 2 meses, só em meados de Maio ou mesmo só em Junho voltarei aos fotolivros, no entanto, já tenho à minha frente 7 fotolivros que me deixam muito orgulhosa deste trabalho a que me propus.

    Obrigada pela visita.
    Fiquei muito feliz por rever a sua presença nos meus blogues.

    Fui a semana passada fazer uma escapadinha ao Algarve e trago novidades

    caso queira espreitar:

    http://pensamentosimagens.blogspot.pt/

    http://tempolivremundo.blogspot.pt/

    além do post que fiz no "Momentos Perfeitos" que é uma inovação,

    nunca tinha feito um post destes, em 8 anos que ando na blogosfera

    uma espécie de foto-jornalismo

    Beijinhos e tudo de bom.
    Tulipa

    ResponderEliminar
  7. Boa semana GL

    Sempre defendi a eutanásia
    Um dia, se eu achar que já chega de sofrer, eu quero praticar a eutanásia!
    ...
    como escreve a Ana:
    Se eu posso comprar um xarope para a tosse... porque não, um remédio que me adormeça e não me acorde, sem sofrimento, se eu assim o entender e desejar para mim?...

    Precisamente 1 mês depois do meu post no blog "MOMENTOS PERFEITOS" regressei...
    22/Fev - 22/Março

    é verdade que estive muito absorvida com os meus fotolivros

    vou fazer agora uma pausa de 2 meses, só em meados de Maio ou mesmo só em Junho voltarei aos fotolivros, no entanto, já tenho à minha frente 7 fotolivros que me deixam muito orgulhosa deste trabalho a que me propus.

    Obrigada pela visita.
    Fiquei muito feliz por rever a sua presença nos meus blogues.

    Fui a semana passada fazer uma escapadinha ao Algarve e trago novidades

    caso queira espreitar:

    http://pensamentosimagens.blogspot.pt/

    http://tempolivremundo.blogspot.pt/

    além do post que fiz no "Momentos Perfeitos" que é uma inovação,

    nunca tinha feito um post destes, em 8 anos que ando na blogosfera

    uma espécie de foto-jornalismo

    Beijinhos e tudo de bom.
    Tulipa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, mas tem que ser a Tulipa a decidir, não outros por si. Esse é o meu receio, que outros possam decidir por alguém que já não está em condições de o fazer.

      Ainda não tive oportunidade de ir espreitar os seus blogs, logo que possa irei até lá.

      Beijinho

      Eliminar
  8. Eutanásia, um tema complicado mas que deve ser debatido sem preconceitos.
    Não encontraremos, em obra alguma, uma espécie de livro de instruções que nos leve a admitir termos encontrado a solução do problema.
    Aceitam-se ideias, de mente aberta e sem tabús.
    Devemos, sobretudo, pensar na dignidade do ser humano.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais! Debater sem preconceitos, mas tendo sempre em conta o perigo que correm aqueles que já não estão em condições de decidir por si, logo ficam/riam à mercê da vontade de terceiros. E porque a dignidade do ser humano deve ser respeitada acima de tudo, temo por opções que pusessem em causa esse principio.

      Abraço

      Eliminar
  9. Não li. Sobre esse tema, não tenho qualquer dúvida, só certezas.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho certezas e medos, não por mim, mas por aqueles que já não tenham/tivessem voz de manifestar a sua vontade.
      Outros a decidir? Nunca!

      Beijinhos.

      Eliminar