domingo, 12 de abril de 2015

Mas às crianças, Senhor...


Foi hoje noticiada a morte de outra criança em consequência do espancamento de que foi vítima, espancamento esse infligido pelo padrasto.

Que é que se está a passar, alguém consegue explicar-me? É normal que todos os dias morra uma criança às mãos de um qualquer louco?

Os responsáveis - Segurança Social, entre outros - não teriam sinalizado estas crianças? Porquê?
E as mães, confiavam nestes homens? 

Tanto se fala de violência doméstica exercida sobre as mulheres, e bem, mas e as crianças? A mulher, com mais ou menos dificuldade ainda tem hipótese de se defender, mas a criança NÃO, NÃO e NÃO uma vez mais. É assim tão difícil entender isto?

Senhores responsáveis por todas as crianças em risco - não venham com a conversa estafada que não podem estar em todo o lado. Há muitas Assistentes Sociais, ou não? Que tal colocá-las no terreno, particularmente em zonas que se sabe problemáticas? - façam aquilo que vos compete, ou seja, proteger todas as crianças, ou será necessário que morram algumas mais?

Por uma vez, façam aquilo que é elementar: proteger inocentes que não têm culpa de pertencer a famílias disfuncionais, assim como muitas dessas famílias também não têm culpa de ter caído nessa situação.

A sociedade está doente, sim, só que as crianças não têm culpa.

Estamos entendidos, ou nem por isso, senhores responsáveis pela sua protecção?




16 comentários:

  1. Não os tratem por pais e mães.
    Não são pais e mães.
    Podem ser progenitores, óvulo, espermatozóide.
    Pai e mãe, não!
    Pai e mãe dão a vida por um filho, não tiram a vida a um filho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso Pedro, isso mesmo, e o problema é que a culpa é um pouco de todos nós.
      O que é que se espera desta sociedade? Que valores, que princípios, que educação, que condições de vida, que...? O rol de indignidades/injustiças é tão extenso que me fico por aqui. É que nada disto se pode dissociar de todas estas questões sociais, não pode mesmo! :(

      Abraço.

      Eliminar
  2. Subscrevo inteiramente e não contenho o meu repúdio total perante esta realidade quase diária. Quem governa este país onde impera apenas "salvar bancos, mercados sem rosto, gastos com processos de corrupção sem fim à vista em detrimento do povo que é votado à miséria/fome e outras coisas", onde cortam todos os apoios sociais incluindo assistentes sociais e não só...dormirão em paz? Onde fica também a sociedade civil? Ninguém sabe, ninguém vê, ninguém ouve?

    Um horror...

    Beijos e uma boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com a agravante, Fatyly, de estas crianças já estarem sinalizadas. Estavam sinalizadas e deixaram-nas entregues à sua sorte? Uma infâmia, uma vergonha. E aqui não há responsáveis? Não, não há!
      Choro a morte da menina, e muito, mas interrogo-me sobre o futuro do irmão, um menino de apenas quatro anos que, não só também foi vitima de maus tratos, como (penso) assistiu ao que sucedeu à irmã. Como é que cresce uma criança que passa por tudo isto? Esta e, desgraçadamente, muitas mais.

      Que triste sociedade, esta!

      Beijinho.

      Eliminar
  3. ~ ~ Horrendo!

    ~ Pagamos tantos impostos que não dão protegerem as famílias em crise,
    nem para colocar esses facínoras monstruosos em prisão perpétua!!
    ~ Comissões de moradores poderiam colaborar no trabalho de apoio social.

    ~ ~ ~ Que seja uma boa semana primaveril. ~ ~ ~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que os responsáveis cumpram cabalmente aquilo que lhes cabe, que é proteger as crianças em risco, não é pedir muito, ou será?
      Uma tristeza, uma raiva, uma revolta sem nome, é tudo o que sinto.

      Continuação de boa semana.

      Eliminar
  4. Não há termo que classifique estes actos.
    Gente nojenta, monstruosa, que deveria ser punida de forma exemplar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Devia ser punidos os agressores de forma exemplar, mas também os responsáveis que já tinham estas crianças sinalizadas - e quantas mais haverá? - e as deixaram à mercê de pessoas que já se sabia não terem condições para as cuidar devidamente.
      Quantos responsáveis há aqui?! Pois é!...

      Eliminar
  5. Eu não sei o que se passa com este mundo. Este tipo de noticias não tem fim, é horrível...

    Beijinhos e uma boa semana *

    http://agatadesaltosaltos.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em síntese? Este mundo está muito mais doente do que muitos de nós imaginamos.

      Beijinho.

      Eliminar
  6. Respostas
    1. Sim, estamos em sintonia relativamente a este assunto e a muitos outros, particularmente no que respeita à justiça social.
      Que mundo é este, Nadine, que mundo é este?!

      O que me serve de lenitivo, o que me alivia a raiva e a revolta, é o que me é dado ver nesse bendito blogue privado.
      Que lindo é o Lourenço María! Que olhos magníficos são aqueles? Numa das fotografias está com uma expressão de quem vai falar. :) Já lhe disseste que ainda é cedo? É que parece não saber! :)
      Ah, mas se vi o Lourenço María devo-o à mana Constança. Ela ouviu o meu pedido e transmitiu-o, não foi? Eu sabia! :)

      Beijinhos para todos, família linda.

      Eliminar
  7. GL,
    É terrível.
    Silencio-me em homenagem à criança que não pediu para nascer e não a deixaram crescer.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De facto não há palavras, Ana!
      Curvo-me perante todos os que estão indefesos, sejam eles quem forem, e não têm quem os proteja, quem lhes acuda, quem os salve de mãos assassinas.
      Beijinho.

      Eliminar
  8. Do seu texto considero a frase "a sociedade está doente" a que melhor sintetiza tudo o que observamos nos últimos tempos. Está doente e gravemente doente.
    Parece-me que estamos a permitir que monstros cresçam sem o mais mínimo controle e se apoderem de outras vidas e as destruam. E não são apenas as entidades que têm culpa: todos ao redor que se apercebem de que algo não está bem, pela evidência do grito e/ou da nódoa negra, mas, por comodismo ou covardia, viram o rosto, calam: consentem!
    Depois, o lamentar e um pai-nosso serve para apagar a culpa.
    Inadmissível.

    Grande texto, grande grito.
    bj amg

    ResponderEliminar
  9. Se bem que ninguém se possa demitir de uma obrigação que, de facto, é da responsabilidade de todos, a verdade é que a responsabilidade maior cabe aqueles que têm como função /missão proteger as crianças em risco, e estas, é bom não esquecer, já estavam sinalizadas. Então, e nem assim foram poupadas? É demasiadamente triste, triste e revoltante.
    Boa semana.
    Bj

    ResponderEliminar