segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Aquecer a Alma!

É tão gratificante, tão urgente, revisitar o belo!

Ora vejam.

Desenho de Almada Negreiros 
"Os sempre fixes",  1926.

Uma delícia, simplesmente!

Breves notas.

"Desenho Grafite e Tinta-da-china sobre Papel
  DP189

A 13 de Maio de 1926 surge o semanário humorístico, O Sempre Fixe, dirigido por Pedro Bordalo e propriedade do Diário de Lisboa. Embora nos limites impostos pelo carácter humorístico e popular da publicação, O Sempre Fixe abre as suas páginas a um punhado de artistas que evoluem na esfera do modernismo português. Uns mais distantes, como Francisco Valença ou Amarelhe, e outros mais próximos, como Stuart Carvalhais, Jorge Barradas, Bernardo Marques e Almada Negreiros. Entre Maio de 1926 e Julho de 1935, Almada ali publica três historietas infantis ilustradas (Era Uma Vez, O Sonho de Pechalim e A Menina Serpente), e 119 desenhos, nomeadamente, a 27 de Maio de 1926, o que aqui se considera. O CAM conserva outro desenho de Almada publicado n’O Sempre Fixe.
 
(DP209). SA-F Novembro de 2010"

Fonte: http://cam.gulbenkian.pt/CAM/pt/Colecao/TextosSobreObras

E das suas sábias palavras, que dizer?



Ora digam de vossa justiça.
Eu? Eu, calo-me!

18 comentários:

  1. Um homem inspirador. Podia ficar a ouvi-lo mais tempo! Parabéns por trazeres à baila um tema tão interessante. A Arte é-me muito querida. Gosto de revisitar o belo, por isso adorei estar aqui e ler o teu texto e ver este vídeo interessantíssimo!
    Beijinhos,
    Boa semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca é demais ouvir a voz dos sábios, e Almada Negreiros era um deles.

      Beijinho.

      Eliminar
  2. E se há algo que gosto de visitar é o belo.

    ResponderEliminar
  3. Posso relembrar a célebre anedota??
    "O que é que pensa de Almada Negreiros?
    Almada Ngreiros??
    Almada 1 Negreiros 0" :)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que podes, ora essa!
      Gosto desse teu espírito brincalhão. :):)

      Eliminar
  4. Lembro-me muito bem do "Sempre fixe". Pela mesma altura havia também o "Ridículos". Depois acabaram os sempre fixes e continuaram os ridículos, cada vez com maiores "tiragens".
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A nossa desgraça é precisamente essa: sobreviveram, não só os ridículos, como aqueles que não prestam.

      Abraço.

      Eliminar
  5. Retive esta bela frase" O belo existe e é sempre o mais antigo"
    Uma pérola que hoje nos deixaste aqui.

    Ps. Finalmente descobri o nome do teu blog, vou adicioná-lo aos meus links. Nos comentários que já me fizeste aparece só GL sem ligação.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também gostei muito do vídeo, só que sou suspeita: a selecção foi minha!

      É estranho, de facto! Quando comento fica só o GL, se bem que preencha todos os campos necessários para inserir o link. Não sei qual o motivo dessa falha, só sei que já me identificaste, e isso é que importa.:):)

      Eliminar
  6. Ah, gosto, por aqui cheira a arte. A coisas da alma. As minhas preferidas.

    Fui buscar estas palavras ao vídeo. Palavras que dizem muito. Pelo menos a mim disseram.
    "O novo existe e é tudo quanto há de mais antigo"
    "basta, recomecemos"
    "estamos ainda divididos por Continentes, por nacionalismos, por religiões".

    E é isto e não é pouco.

    Beijinho, GL. Respira-se bem por aqui :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto de a ver por aqui, Maria, gosto que se sinta bem.

      Ou muito me engano ou "navegamos em águas muito semelhantes", logo...?!

      Beijinho.

      Eliminar
  7. Respostas
    1. Não tens que agradecer, nem pensar!
      A partilha faz parte da minha forma de estar na vida.

      Beijinho.

      Eliminar
  8. Belo sem dúvida.
    Palavras intemporais.
    Beijinho.:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E estamos cada vez mais longe, mas tão longe, dessa "unanimidade humana".
      Será que alguma vez a alcançaremos?

      Beijinho.

      Eliminar