sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

E pronto!

Mais um ano que finda.
Coisas boas, coisas menos boas, outras más, muitíssimo más, diria mesmo, intoleráveis. O mesmo de sempre, se bem que com as variáveis que são normais(?) à medida que o tempo, esse  ditador, decorre.
E a vontade de outros (tantos) ditadores - esses bem mais perigosos -, os que pululam um pouco por todo o lado?
Ah, aí é que reside o grande problema. Essa é a causa da maioria dos grandes males que afligem as sociedades dos nossos dias. 

Passando por um espaço que muito aprecio, este, deparo-me com um belo e lúcido texto, um texto que aborda alguns dos aspectos que me inquietam.

Em síntese, a questão é esta: em que sociedade vivemos? Que gente, que forma é esta de estar na vida?
A Maria, do "Amanhecer tardiamente", assim se chama a dona do espaço referido, é de uma lucidez que dói. E analisa vários aspectos, e chama a atenção para aquilo que considera pertinente porque, segundo ela, está errado. E aponta o dedo, e desafia á discussão,  e questiona, e - quantas vezes! - inquieta.
Li, reli, e...? E já estão a adivinhar? Pois, é isso mesmo: pedi autorização para o "roubar", isto porque subscrevo, integralmente, a sua análise tão lúcida. Simpática como sempre, a Maria aquiesceu.
Por isso, aqui fica o texto. O texto e o meu agradecimento para si, Maria.
Ora vejam se tenho, ou não, tenho razão.

*****

"Cozido à portuguesa com... todos (e se calhar um bocadinho indigesto)

Hoje de manhã, ainda mais de manhã do que a esta hora em que escrevo meia dúzia de palavras já menos polvilhadas de açúcar e canela, dei comigo a pensar se as pessoas hoje que já é segunda-feira se sentem assim, mais felizes. É que pelos vistos acabou o Natal. Coisa estranha essa de arrancar coisas do peito à força porque o calendário assim o dita...

Deve ser como o amor entre duas pessoas, uma pessoa ama alguém, casa-se com alguém, fica ali ao lado dois dias a amar intensamente e depois vai à rua limpar os vidros do carro, atravessa-se um amor mais sorridente e vestido de novidade pela frente, entretanto a pessoa sobe a correr as escadas de casa para dizer ao amor antigo que já não é aquilo que quer, está a modos que confuso. Eu por mim comecei a desconfiar e muito das pessoas confusas desta vida. Sempre que alguém me diz que está confuso eu vou a correr comprar um grande guarda-chuva só naquela de me proteger o mais possível.

Bom, e voltando ao Natal que já se faz tarde, tenho para mim que as pessoas andam muito confusas, parece que querem que acabe rapidamente o Natal real para voltar para a sua felicidade virtual.  Estarão as pessoas fartas da família? Das suas vidas? Será que o mundo virtual as realiza muito mais? Será isso que está a dar cabo do verdadeiro cheiro a sonhos? Será que é isso que está a dar cabo realmente e, decididamente, do Natal? O Natal como a maioria bem conhece. Continuo a pensar no que estariam as pessoas a fazer quando era Natal daquele vindo do passado, quando não se batia furiosamente com os dedos no teclado oferecendo aos outros em modo grátis, textos azedos, sarcásticos, textos como que a deitar abaixo toda e qualquer hipótese de alguém dizer que gosta do Natal apenas e só porque gosta de ver luzes de todas as cores acesas pela cidade.

E que não me tentem as pessoas sequer argumentar que o mundo está em guerra e só por isso o Natal deixou de fazer sentido. Pergunto-me se só acordaram agora para o mundo?! Pergunto-me se viveram todos estes anos, anos em que o mundo sempre foi mundo e só por isso envolto em crueldade, com as cortinas do seu mundo privado bem corridas para não lhes ferir a felicidade individual? Ah, nesse tempo, sim, nesse tempo é que o Natal era bom. Agora não, agora as notícias mostram-nos em directo e em modo repetitivo a morte de um ser humano (a memória das pessoas que habitam o mundo já deve ter esquecido o caso do embaixador), quanto mais repetirem a morte em directo mais acreditamos que ela existe, mais ficamos sem Natal. Portanto todos aqueles que já morreram de forma cruel e continuam a morrer não contam porque... não assistimos em directo. O mundo em directo cheira a azevinho. 

Acho que não me vai apetecer desligar as luzes de Natal este ano. Vou fazer como já fiz um ano lá mais atrás, deixei-as ligadas o ano todo. E acho que também vou começar a escrever mais em papel. E enviar cartas daquelas com selos nos aniversários das pessoas que me são especiais. E telefonar no Natal só para ouvir a voz em vez de enviar uma mensagem escrita. E desligar a tv uma semana antes do Natal e só voltar a ligar duas semanas após. E não ler ninguém nisto da Internet antes do Natal, essa parte é bem capaz de nos roubar a alegria da época. A ver se aponto esta última parte num post-it amarelo muito fluorescente e ponho lá em cima da árvore de Natal em jeito de estrela.

Despeço-me em modo de:
tenham um excelente ano de 2017
se não for excelente, que seja pelo menos bom se não for bom,
que seja pelo menos razoável,
se não for razoável, que pelo menos estejamos vivos para recomeçar em 2018
(se calhar viver é mesmo isso, um eterno recomeçar)"*

* Negrito e cor meus.

E como recordar é viver, eis a imortal Edith Piaf.

Bom Ano Novo para todos vós, Amigos.

Um 2017, se possível, melhor do que este malfadado 2016.

Tentem ser felizes, tentem.



quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Porque é Natal



Para todos vós, aqueles que por aqui passarem, votos de
SANTO e FELIZ NATAL.




Que o Novo Ano traga consigo:

O fim das guerras, todas elas.(?!)
O fim das injustiças, sociais e outras.
Que a fome vs miséria de milhares passe a triste e vergonhosa recordação.
Que os homens aprendam a respeitar os outros homens.

Que a ganância acabe.
Que o dinheiro deixe de ser o ditador dos novos tempos.

Que não haja.
Criança, nem velho, nem homem, nem mulher, nem preto nem branco, nem qualquer ser humano, qualquer que seja a raça, a etnia, o credo, que não tenha o suficiente que lhe dê direito, que lhe permita viver com dignidade.
Que o respeito, a solidariedade, o amor ao próximo, não sejam simples quimeras.

QUE A UTOPIA DEIXE DE O SER!

Abraço de Amizade para vós, todos, Amigos.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Mãos, corrupção, mãos...

... é só uma questão de mãozinhas.



Simples, não? Apenas uma questão de jeitinho, e...?



Depois? Depois amealhar.
A quem pertence o mealheiro? 
Que importa isso?!
Quem fica lesado?
Que importa isso?!


Mãos sujas?
Quem se importa com elas?
Nós? Ingénuos que somos!

Fonte: Imagens retiradas do Google.

A água tudo lava.
Tudo menos a podridão. 
Tudo. 
Tudo, até a vergonha que devia ser de muitos e parece não ser de ninguém.

E nós? Nós, ingénuos - ou estúpidos? - que somos.

E nós? E nós num espanto.
E nós numa revolta, uma revolta que vai num crescendo a cada notícia que nos chega, e chega diariamente.

A corrupção é uma das catástrofes do séc. XXI? É a responsável por muitas das tragédias que afligem o mundo dito civilizado?
Não! Essa é apenas a leitura de ingénuos, de estúpidos, de mentecaptos, ou seja, todos nós.


domingo, 11 de dezembro de 2016

O Homem que escusava a palavra

Se há Homens que caminham para a imortalidade, Charles Chaplin é um deles.
A mímica fez dele um actor único, um Homem que dispensava a palavra com mestria.

Nascido em Walworth, Londres, a 16 de Abril de 1889, e falecido em Corsier-sur-Vevey,  Vau, Suíça a 25 de Dezembro de 1977, ainda hoje, passados que são todos estes anos após a sua morte, continua com a mesma capacidade de nos fazer sorrir, ou mesmo rir com gosto.

Ah, mas não apenas rir!
Moral desta "estória"? Seguir o conselho da mulher nem sempre dá bom resultado!

Votos de uma óptima semana para todos.
Façam o favor de tentar - sim, tentar, porque pôr em prática é muito, muito difícil - ser felizes, sim?!

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Meninos/Homens/Bênçãos

Há meninos que, para nós, nunca crescem.
Meninos, hoje, Homens. Homens que nos enchem o coração de alegria, de orgulho nas pessoas fantásticas em que se tornaram.
Só em termos profissionais? Não! Fundamentalmente enquanto Pessoas completas, integras, pessoas que são tão bonitas por fora como por dentro. E é precisamente esse lado, a verticalidade de carácter, a honestidade, o saber ser amigo do seu amigo, o olhar o Outro sempre em linha recta, olhos nos olhos, nunca de cima para baixo, essa humildade tão genuína, tão autêntica que faz dele a pessoa maravilhosa que é. 

A quem me refiro? Alguns de vós já o conhece. Sim, trata-se do meu menino de ouro: Filipe Portugal.

E ficam algumas fotografias do bailado que dança presentemente: a Messa da Requiem, de Verdi.

Acho as fotografias maravilhosas - claro, sou suspeita!... - daí a partilha.





Fonte: http://www.opernhaus.ch/en/activity/detail/messa-da-requiem-03-12-2016-18517/#PhotoSwipe1481305275798



E o Requiem, a música belíssima.

domingo, 4 de dezembro de 2016

Hoje é dia de...?

... de (re)felicitar o Amigo João Méneres, do blog Grifo Planante, pela publicação do belíssimo livro, fruto do seu hobby de eleição, a fotografia, intitulado "Entre o Ver e o Olhar", de que vos apresento, com a devida autorização do autor, alguns exemplos fotográficos.
Porquê o (re)felicitar? Porque tive oportunidade de o fazer aquando do lançamento, só que nunca é demais parabenizar um Amigo quando o elogio é merecido.
Faço questão, ainda, de agradecer a simpática dedicatória que teve a amabilidade de escrever no livro que agora é o meu.



Escusado será dizer que estamos perante fotografias lindíssimas. A arte e sensibilidade a que já nos habituou estão presentes em cada "boneco" captado pelo nosso Amigo.

Ora vejam esta pequenina amostra:



Com a digitalização qualquer das fotografias perde muitíssimo em termos de cor, de contraste, etc., pelo que apresento, desde já, as minhas desculpas ao Amigo João Menéres.

Se aumentarem a fotografia poderão ver a legenda que acompanha cada uma delas.

Obrigada, João, pela simpatia de sempre.
Um imenso prazer ter-te conhecido. A blogosfera tem destas coisas, raras, mas que acontecem.

Em jeito de agradecimento deixo-te o "teu" Vivaldi com as suas "seasons".


Sei não ser necessário recordar mas, seja como for, fica o alerta: as fotografias têm direitos de autor, está bem?!



quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Aleppo...




... quem acode a Aleppo?



A L E P P O

Continuará o mundo indiferente à calamidade a que assistimos diariamente?

Poderosos de todo o mundo acudam a Aleppo, acudam à tragédia, ao morticínio, ao sofrimento e quase extermínio de um povo.

É que a responsabilidade, a vergonha é de todos vós.

VERGONHA?
Pois, desgraçadamente estamos no campo da utopia.

Quem acode a Aleppo, quem?!

terça-feira, 22 de novembro de 2016

A esperança, e o orgulho, pela mão de uma Portuguesa.


E pronto, eis-nos felizes!

Portuguesa distinguida em Israel por investigação sobre doenças cardíacas

Estamos perante noticias que, não só nos enchem de esperança em termos de avanço no tratamento de doenças cardíacas,  como também de um imenso orgulho nos nossos jovens cientistas.


Fonte: Google


Penso que já todos vimos a reportagem. Como não é demais rever, e para algum de vós mais distraído, fica o link.


Numa primeira fase, Renata Gomes tinha sido premiada com o prémio Prata, conforme notícia abaixo:


"Renata Gomes criou uma nano-molécula e com ela ganhou o prémio Prata que o parlamento britânico atribui às melhores investigações realizadas em Inglaterra na área da Biologia. Renata Gomes nasceu há 26 anos em Barcelos. Vive e trabalha em Oxford, no Reino Unido."
Noticia datada de 15-05-2012." in, sicnotícias 

Posteriormente, e na sequência da sua investigação:

"Renata Gomes acaba de passar um ano na universidade de Jerusalém, onde foi premiada pelo seu trabalho na investigação das doenças do coração. Trabalhou com judeus e com árabes, e os seus colegas pensam que a cientista pode vir a ser o próximo Prémio Nobel."




sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Finalmente, a justiça sinónimo de esperança!



Sim, pela importância da mesma, vou abordar a Lei recentemente publicada, a Lei n.º 17/2016, de 20 de Junho, aquela que garante o acesso a todas as mulheres à procriação medicamente assistida.


Se para muitas(?!) mulheres a maternidade, o ser Mãe é uma coisa de somenos, ou melhor, é algo absolutamente irrelevante(?) e, pasme-se, constitui ainda uma tremenda prisão - não deixa progredir na carreira, não possibilita a liberdade de e para (como, caríssimas, importam-se de explicar?! Afirmo algo que desconheço? Não! Conheço várias "ilustres" que fazem este discurso, o  que se passa é que NÃO as entendo, mas isto deve ser problema meu), outras, ainda, remetem para problemas de ordem económica, factor que não tem aqui cabimento, enquanto isto, dizia eu, MULHERES há para quem a impossibilidade de viverem a maternidade - muitas delas por questões de saúde ou outras, mas que podem ser ultrapassadas -, de terem a bênção maior que é ser Mãe, de gerarem uma vida, de darem vida a outro Ser, aquelas que vivem o pesadelo que as impede de se cumprirem enquanto Mulheres, MULHERES perante as quais me curvo num imenso respeito, as que vivem o desgosto, a mágoa, o vazio, a frustração, não terão direito à esperança?

Seria justo que estas MULHERES fossem condenadas a este calvário, um calvário que as acompanharia vida fora? Seria justo que não lhes fossem proporcionados todos os meios médicos já existentes e, que comprovadamente resultam?

Ora, digam de vossa justiça. O que vos parece?


Mãe amamentando.
Bernardino Luini (1480/82 - 1532)

Por tudo isto só posso regozijar-me. Por tudo isto celebro a esperança que é, a partir de agora oferecida a todas estas Mulheres, Mulheres dignas desse nome.

Aqui fica a Lei em texto integral para que tomem, caso vos interesse, claro, conhecimento da mesma.

Partilhar é isto, ou não?!



"SUMÁRIO
Alarga o âmbito dos beneficiários das técnicas de procriação medicamente assistida, procedendo à segunda alteração à Lei n.º 32/2006, de 26 de julho (procriação medicamente assistida)
_____________________

Lei n.º 17/2016, de 20 de junho
Alarga o âmbito dos beneficiários das técnicas de procriação medicamente assistida, procedendo à segunda alteração à Lei n.º 32/2006, de 26 de julho (procriação medicamente assistida)
A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:
  Artigo 1.º
Objeto
A presente lei procede à segunda alteração à Lei n.º 32/2006, de 26 de julho, alterada pela Lei n.º 59/2007, de 4 de setembro, garantindo o acesso de todas as mulheres à procriação medicamente assistida (PMA).

  Artigo 2.º
Alteração à Lei n.º 32/2006, de 26 de julho
Os artigos 4.º, 6.º, 7.º, 10.º, 19.º, 20.º, 25.º e 31.º da Lei n.º 32/2006, de 26 de julho, Procriação medicamente assistida, alterada pela Lei n.º 59/2007, de 4 de setembro, passam a ter a seguinte redação:
«Artigo 4.º
Recurso à PMA
1 - ...
2 - ...
3 - As técnicas de PMA podem ainda ser utilizadas por todas as mulheres independentemente do diagnóstico de infertilidade.
Artigo 6.º
[...]
1 - Podem recorrer às técnicas de PMA os casais de sexo diferente ou os casais de mulheres, respetivamente casados ou casadas ou que vivam em condições análogas às dos cônjuges, bem como todas as mulheres independentemente do estado civil e da respetiva orientação sexual.
2 - ...
Artigo 7.º
[...]
1 - ...
2 - ...
3 - Excetuam-se do disposto no número anterior os casos em que haja risco elevado de doença genética ligada ao sexo, e para a qual não seja ainda possível a deteção direta por diagnóstico genético pré-implantação, ou quando seja ponderosa a necessidade de obter grupo HLA (human leukocyte antigen) compatível para efeitos de tratamento de doença grave.
4 - ...
5 - ...
Artigo 10.º
[...]
1 - Pode recorrer-se a ovócitos, espermatozoides ou embriões doados por terceiros quando, face aos conhecimentos médico-científicos objetivamente disponíveis, não possa obter-se gravidez ou gravidez sem doença genética grave através do recurso a qualquer técnica que utilize os gâmetas dos beneficiários e desde que sejam asseguradas condições eficazes de garantir a qualidade de gâmetas.
2 - ...
Artigo 19.º
[...]
1 - É permitida a inseminação com sémen de um dador quando não puder obter-se a gravidez de outra forma.
2 - ...
Artigo 20.º
Determinação da parentalidade
1 - Se do recurso às técnicas de procriação medicamente assistida previstas na presente lei vier a resultar o nascimento de uma criança, é esta também havida como filha de quem, com a pessoa beneficiária, tiver consentido no recurso à técnica em causa, nos termos do artigo 14.º, nomeadamente a pessoa que com ela esteja casada ou unida de facto, sendo estabelecida a respetiva parentalidade no ato de registo.
2 - Para efeitos do disposto no número anterior, e no caso de ausência no ato de registo de quem prestou o consentimento, pode ser exibido nesse mesmo ato documento comprovativo de que foi prestado o consentimento nos termos do artigo 14.º, sendo estabelecida a respetiva parentalidade.
3 - Se apenas teve lugar o consentimento da pessoa submetida a técnica de PMA, nos termos do artigo 14.º, lavra-se apenas o registo de nascimento com a sua parentalidade estabelecida, sem necessidade de ulterior processo oficioso de averiguação.
4 - O estabelecimento da parentalidade pode ser impugnado pela pessoa casada ou que viva em união de facto com a pessoa submetida a técnica de PMA, se for provado que não houve consentimento ou que a criança não nasceu da inseminação para que o consentimento foi prestado.
Artigo 25.º
[...]
1 - ...
2 - A pedido das pessoas beneficiárias, em situações devidamente justificadas, o diretor do centro pode assumir a responsabilidade de alargar o prazo de criopreservação dos embriões por um novo período de três anos.
3 - Decorrido o prazo de três anos referido no n.º 1, sem prejuízo das situações previstas no n.º 2, podem os embriões ser doados a outras pessoas beneficiárias cuja indicação médica de infertilidade o aconselhe, sendo os factos determinantes sujeitos a registo, ou doados para investigação científica nos termos previstos no artigo 9.º
4 - (Atual n.º 3.)
5 - (Atual n.º 4.)
6 - Consentida a doação nos termos previstos no n.º 3, sem que nos seis anos subsequentes ao momento da criopreservação os embriões tenham sido utilizados por outras pessoas beneficiárias ou em projeto de investigação aprovado ao abrigo do artigo 9.º, podem os mesmos ser descongelados e eliminados, por determinação do diretor do centro.
7 - Se não for consentida a doação nos termos previstos no n.º 3, logo que decorrido qualquer um dos prazos indicados no n.º 1 ou no n.º 2, podem os embriões ser descongelados e eliminados, por determinação do diretor do centro, comunicada previamente ao Conselho Nacional da Procriação Medicamente Assistida.
Artigo 31.º
[...]
1 - ...
2 - ...
3 - ...
4 - ...
5 - ...
6 - Os membros do CNPMA mantêm-se em pleno exercício de funções até à tomada de posse dos novos membros.»

  Artigo 3.º
Regulamentação
O Governo aprova, no prazo máximo de 120 dias após a publicação da presente lei, a respetiva regulamentação.

  Artigo 4.º
Entrada em vigor
A presente lei entra em vigor no primeiro dia do segundo mês seguinte ao da sua publicação.

Aprovada em 13 de maio de 2016.
O Presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues.
Promulgada em 7 de junho de 2016.
Publique-se.
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.
Referendada em 9 de junho de 2016.
O Primeiro-Ministro, António Luís Santos da Costa."




quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Porque mereces...


... porque me apetece, este vídeo é para ti, Carpe Diem.


Porque és a lufada de ar fresco, a Alegria como te "crismei" desde que te conheci, porque consegues fazer a diferença, aqui fica um dos teus eleitos.

Delicia-te, sê feliz, sempre.
Não percas a alegria, não deixes de acreditar na Vida.

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Até já, até sempre.

Mais um Grande que partiu. E nós, pobres, cada vez mais pobres.
E nós vazios de homens dignos desse nome, homens que de Homens nada têm.
Impera a mediocridade que dói, assusta, inquieta.



E faço silêncio.
E calo mágoas e já saudade.

Homens como Leonard Cohen não necessitam de elogios.

Apenas uma palavra se impõe.

Obrigada.



quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Batemos no fundo...


... estamos perante um mundo completamente ensandecido, louco e, por isso, extremamente perigoso.

Temo, particularmente, não por aqueles que estão na curva descendente da vida, mas pelos outros,  pelos que estão em plena curva ascendente, os jovens e as crianças. 
Que futuro, que mundo os espera?
A incógnita que aterroriza, a incógnita que não se afigura promissora.

Como é que chegámos aqui, como?! 
Há, há muitas explicações, causas, mas mesmo assim havia, ainda que ténue, uma réstea de esperança.

Agora?!...

sábado, 5 de novembro de 2016

Apaziguamento e beleza...


... algo de que necessitamos com urgência.

Por mero acaso assisti, no canal Mezzo, à transmissão na integra, deste magnífico bailado.



Um deslumbramento, diria mesmo, pura magia.

Atentos ao movimento magnífico daqueles bailarinos temos a sensação, ou melhor, a certeza de que a Palavra é desnecessária - logo eu, que amo a Palavra! - quando há corpos que falam, que gritam bem alto emoções e sentimentos, que contam histórias.

Todos os bailarinos "falam" com o corpo, dirão. Há, só que uns murmuram, sibilam, outros gritam bem alto, sem dar espaço a equívocos, tudo o que lhes vai na alma.

Como a partilha faz parte da minha forma de estar na vida deixo-vos este pequenino excerto.

Outro "miminho", aceitam?


 É a fotografia, claro.  Gostam?

Deliciem-se, sim?! Com o bailado, óbvio!

Bom Domingo.

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Vergonha...

... é o que nos resta!
Que País é este? Já não há homens honestos, homens de mãos limpas?
Corrupção parece ser a palavra de ordem.
Roubar mais, e mais, seja qual for o sector é "obrigatório".

"O Grito", de Edvard Munch
Fonte: Wikipédia 
O que é que sucedeu ao meu País? Ou melhor, onde estão os responsáveis por este estado de coisas? Ninguém os conhece, não há quem os responsabilize? Não, não há!
Há, isso sim, uma dor e uma revolta imensas.

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Quando o sonho ainda comanda a vida!

Recebi, através de mão amiga, este pedacinho de sonho, da autoria de José Gomes Ferreira, que muito me sensibilizou, que muito agradeço.
Quantas recordações, quantas imagens, quantos "amiguinhos" construi a partir de uma simples nuvem.

Querem recordar?

Aqui está.

Aquela nuvem 
Aquela nuvem
Parece um cavalo...

Ah! Se eu pudesse montá-lo!

Aquela?
Mas já não é um cavalo,
É uma barca à vela.

Não faz mal.
Queria embarcar nela.

Aquela?
Mas já não é um navio,
É uma torre amarela
A vogar no frio
Onde encerraram uma donzela.

Não faz mal.
Quero ter asas
Para a espreitar da janela.

Vá, lancem-me no mar
Donde voam as nuvens
Para ir numa delas
Tomar mil formas
Com sabor a sal
- Labirinto de sombras e de cisnes
No céu de água-sol-vento-luz concreto e irreal...
José Gomes Ferreira (1900-1985), in Poesia IV

Fotografia de minha autoria.

Ao ler este singelo poema não voltamos a ser crianças, não voltamos ao imaginário da nossa infância?
Algum de vós não idealizou que aquela nuvem, AQUELA, era a vossa nuvem, aquela com que podiam brincar, que seria aquilo que quisessem que fosse?  
Não? Não acredito! É que a ser assim nunca foram verdadeiramente crianças. 

Uma vez mais um grande Obrigada para ti, Amigo.

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

João Lobo Antunes, o Homem.


Partiu um Homem Grande, uma perca que nos deixou muitíssimo mais pobres.
O Homem a quem não nos atrevemos, sequer, a dedicar grandes encómios, O Homem que está acima de tudo isso.



Para o Professor João Lobo Antunes, o médico, o cientista, o intelectual, o Senhor, apenas uma palavra que diga da nossa imensa gratidão por tudo o que fez em prol de um mundo melhor:

OBRIGADA.
Muito, muito OBRIGADA.

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

O mistério! Adenda ao post anterior.


Vamos lá esclarecer o "mistério" referente ao autor por mim mencionado no post anterior o qual, por sua vez, tinha sido referido por outrem que não eu.
Confuso, isto?

"Consta por aí que o eng. Sócrates vai publicar outro livro. Por descargo de consciência li o primeiro. É um exercício escolar sem originalidade ou rigor, que, como lhe compete, exibe uma enorme incultura filosófica. Não valia a pena tornar a falar dele se Sócrates não aparecesse agora com uma nova prestação dos seus pensamentos, desta vez sobre o “carisma” (um assunto que tresanda a pretexto para o auto-elogio)".* 

Já perceberam?
O tema é interessante.
Carisma, carisma...
Até me ficou a doer a cabeça, pobre de mim.


Querem os Amigos ler o artigo de Pulido Valente, na integra, o tal que refere a publicação da nova obra, e não só?  Penso que muitos de vós já o fez, no entanto, caso não o tenham feito, e caso seja se vossa livre e espontânea vontade, aqui fica.


* Itálico meu.


domingo, 16 de outubro de 2016

Senhores

Ora muito bem, vamos lá ver.
Segundo parece o senhor abaixo, o primeiro da minha listinha, teria dito que, o papel do segundo, que por sinal penso ser merecedor do nosso respeito, não deveria ser o de uma Madre Teresa de Calcutá da ONU, o que provocou alguma celeuma.


Aí até estamos um pouco em desacordo. Com os problemas, gravíssimos, que a ONU tem que enfrentar só mesmo um milagre para ajudar, já não a resolvê-los na íntegra, mas a minimizá-los, logo...
Adiante.


Bem, mas o que achei estranho, mas ESTRANHO mesmo, é que o primeiro senhor informou que um terceiro senhor - fotografia? Pois, não há! - ia publicar um livro e, tanto quanto me apercebi, ninguém estranhou.

Eu? Bem, eu fiquei muda de espanto. Que o dito senhor, o tal que não tem direito a fotografia, tenha escrito um livrito nem é nada de muito surpreendente.
SURPREENDENTE é haver quem compre, não fora isso e não haveria livrito que a vida das editoras não é lá muito fácil.
Surpreendente é ninguém comentar.
Surpreendente é, segundo parece, não haver quem se indigne.

Mas como é que é possível?!

Não há dúvida, temos mesmo o que merecemos!

Fonte: Google.


quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Deus é um só. Uno, portanto.


Um Amigo que muito prezo disse-me, há tempo, que Deus é um só, independentemente da nossa religião, crença, Fé, ou qualquer outra  denominação que queiramos dar àquilo que, para nós é O transcendente.



Fiquei a pensar nisso, e sim, concordo, Deus é um só, mas...?
Mas, e de uma forma simplista, o Deus dos católicos - logo, o meu - é quase sempre igual a sofrimento, a dor, agonia, morte. Atenção, fiz a ressalva que esta abordagem era simplista.

E a  antítese? Existe antítese?
A Fé transfigurada em beleza, mistério, religiosidade, aquela que nos transporta, de facto, a Deus? O que vos parece? Existe, ou não?!

Vamos ver o vídeo?
E agora, o que vos parece?
Quanta mística nestas vozes, na dança, no facies de cada um destes intérpretes.

Vejam, mas, mais do que ver, sintam!

Já vi este vídeo vezes sem conta, mas não me canso.

Um imenso obrigada ao Amigo que teve a gentileza de me apresentar um Deus igual.
Igual mas "diferente" na forma como se mostra, como nos chama, como, inclusive, nos interpela.

Apetece-me dizer: Deus está ali, quase "palpável" na interpretação/sentimento de todos os que participam na Missa.

Uma vez mais fica o testemunho da minha gratidão pelo Amigo que me mostrou esta Face de Deus.

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

O agradecimento que se impõe!...

O apreço, o respeito, a admiração que tenho por este Presidente da República é indescritível.


Sr. Presidente, aqui fica o meu humilde agradecimento por tudo o que tem feito pelo País de todos nós.

Depois?
Bem, depois há a Esperança que devolveu à maioria dos portugueses que tão necessitados estavam de algo que os fizesse ir em frente, rumo a um futuro que se deseja melhor para todos, das crianças aos velhos, dos adultos aos jovens, a todos para quem um futuro digno não passava de uma utopia.

 Bem haja, Sr. Presidente, bem-haja!

domingo, 2 de outubro de 2016

Hoje apenas fica...

... o voto de uma óptima semana para todos vós.
Façam o favor de ser um bocadinho, ainda que muito pequenino, felizes.
É difícil? Quem diz que não?!


A fotografia é, não só o "miminho", como o testemunho da minha "arte" nesta vertente.


sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Doença de Alzheimer - a Luz ao fundo do túnel.


O ser humano é acometido por medos, terrores, sustos e angústias quando perante a doença.
Contudo?! Contudo há medos e medos, dependendo das patologias e isto, porquê? Porque a morte é a presença maior em algumas delas, só que, e na minha perspectiva, há coisas incomparavelmente piores do que a morte. É que a morte é o processo natural do percurso de qualquer ser vivo, já as demências...

Respeito a opinião de cada um no que a este aspecto diz respeito mas, e se me permitem, não posso deixar de salientar aquela que apavora todos os que a conhecem bem, que sabem dos "estragos" que provoca, directos e indirectos: ao doente e à família.
Refiro-me às demências, todas elas,  e tendo origens diversas - que ninguém pense que estas se limitam apenas a uma ou duas variáveis, nada disso -, e que constituem um dos maiores flagelos que afligem o Homem actual.
Todos nós conhecemos - mas será que conhecemos ou pensamos conhecer?! - a Doença de Alzheimer, não por ser a mais grave, mas a mais temida, e, neste caso concreto, com que pertinência!

Haverá pior tragédia que perdermos a nossa identidade, o nosso Eu, logo, a nossa dignidade enquanto seres humanos? Penso que não! 



Resultado de imagem para tiago reis marques e a doença de alzheimer
Tiago Reis Marques

E agora, a boa notícia.
Numa entrevista interessantíssima dada à RTP, no programa "Grande Entrevista", que vos convido a ouvir aqui caso ainda não tivessem tido oportunidade de o fazer, o cientista português, Tiago Reis Marques que trabalha não só em Portugal, como também em Londres, no maior centro de pesquisa de psiquiatria do mundo, afirma que o tratamento/cura da Doença de Alzheimer vai ser uma realidade já nos próximos anos:  

"O tratamento pode acontecer nos próximos 5 ou 10 anos o que significa que na próxima geração já não haverá pacientes com esta doença."

Especializado em Psiquiatra, estamos perante um Homem que direcionou a sua investigação para duas patologias gravíssimas: a referida acima e a Esquizofrenia, esta numa fase de estudo ainda não tão desenvolvido.

A próxima geração já liberta do flagelo que é a "Doença de Alzheimer"?
Haverá notícia melhor?!

Resta-me desejar ao nosso cientista - quanto orgulho nele, quanto! - toda a sorte do mundo.
Resta-me agradecer-lhe.
Resta-me desejar que haja mais Homens com este empenhamento e entrega.

Não há dúvida! Cada vez mais a minha esperança na salvação desta sociedade doente, tão doente, está nas novas gerações.

O mundo é vosso, Jovens, façam dele algo de bom.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Parabéns, uma vez mais, Parabéns!

Os nossos Paralímpicos chegaram.
E chegaram felizes pelo desempenho, pelos resultados, pelo sucesso, pelas medalhas ganhas.


E nós felizes por eles, com eles.
E nós gratos pelos momentos de alegria e orgulho que nos proporcionaram.

É que de mediocres, de gente sem alma, sem querer, gente que não sabe o que é a verticalidade de carácter, o querer, o espírito de luta, desses estou cansada, mas tão cansada.

Uma vez mais, a todos vós, um grande OBRIGADA.
É que, por vezes, necessitamos de algo que nos faça acreditar que o Homem é viável e, todos vós, caros Amigos, foram disso testemunho.



quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Jogos Paralímpicos


Como é do conhecimento geral (?) têm hoje inicio os Jogos Paralímpicos.
Para já estou curiosa em ver que cobertura, que atenção vão os canais televisivos dar aos mesmos. Será que lhes vão dar a IMPORTÂNCIA que, na realidade, têm? Quantas horas irão ser disponibilizadas para a transmissão deste evento?
Como não gosto de falar por antecipação, aguardemos.


Para todos os atletas, seja qual for a modalidade, vão os meus votos dos maiores êxitos, do maior sucesso.

Fica o link para algum de vós que pretenda um qualquer esclarecimento adicional.

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Robbie Williams

Ora aqui está um Homem que...




... não sei se encanta mais pela belíssima Voz, se pela interpretação, se pela extraordinária expressão facial que deixa transparecer, sem pudor, a garra, a força, o querer, e uma emoção que se sente genuína.

O Homem dos "ses"? Talvez! Uma coisa é certa: há alma nesta belíssima canção!

Para vós, para mim, aqui fica.

Obrigada, Robbie, obrigada!



sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Por favor!...

Hoje, num dia de mais disponibilidade, e porque não dizer, mais paciência, andei deambulando pela Net. O que encontrei? Ora bem, "coisas" importantíssimas, dignas de alguém perder o seu tempo a ler, a tomar conhecimento, a aprender. Sim, porque se aprende imenso com tamanha informação!

Saber que A saiu com B, que D tem uma saia mais janota que Y, que C esteve na praia com Z, - isto para acabarmos já com o alfabeto! - é da maior relevância, olá se é!

Meus caros responsáveis por estas páginas, a sociedade para vós resume-se a um somatório de "nadas"? Ah, as ditas têm mais "clientes"? A ideia é mesmo essa? Pois, já desconfiava!
Acalmem-se. Não se enervem, ainda não acabei e já conheço a vossa argumentação.
É óbvio que há sites muito, mas muito bons, mas caríssimos, das duas uma, ou sabemos exactamente o que queremos, ou então, caso haja necessidade de fazer pesquisa, aí...! Aí é um deus nos acuda! Para chegar a esses é necessário fazer alguma (para não dizer imensa!) travessia num deserto que, é tudo, menos inocente. O que nos é oferecido de bandeja (coitados de nós!) é lixo. Lixo e mais lixo. Não concordam? Pois, faz sentido!...


Como sou uma "cliente" fraquita, como estava a ficar um pouco, pouquinho nauseada, fui - lá está, fui pesquisar, não estava ali no meio da praia e do namorado da namorada...! - à procura de uma lufada de ar fresco, de algo que me garantisse que a humanidade ainda existe.
E foi então - aleluia! - que encontrei este belo  trabalho da Mariza.
Conhecia a canção, mas não este magnifico vídeo que me mostrou, sem margem para qualquer dúvida, que ainda se vai encontrando, se bem que raramente, "gente com gente dentro".

O oco prevalece? Lutemos para inverter a situação. Quem sabe um dia...

Façam o favor de ter um óptimo fim-de-semana.