quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Vergonha...

... é o que nos resta!
Que País é este? Já não há homens honestos, homens de mãos limpas?
Corrupção parece ser a palavra de ordem.
Roubar mais, e mais, seja qual for o sector é "obrigatório".

"O Grito", de Edvard Munch
Fonte: Wikipédia 
O que é que sucedeu ao meu País? Ou melhor, onde estão os responsáveis por este estado de coisas? Ninguém os conhece, não há quem os responsabilize? Não, não há!
Há, isso sim, uma dor e uma revolta imensas.

14 comentários:

  1. Agora nas Forças Armadas, não é? :(
    Beijinhos, bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não escapa ninguém, Pedro.
      Homem(ens), instituição(ões), tudo chafurda no mesmo lodo. Tristíssimo, isto!:(

      Bom fim-de-semana.
      Beijinho

      Eliminar
  2. Ontem foram as batatas, cenouras e cebolas e hoje há outra notícia de corrupção com quatro farmacêuticos. Todos os dias são descobertos actos de corrupção a juntar aos muitos que já se encontram na justiça e resultados? Zero ou quase zero e revolta-me que a justiça não seja célere e bem pesada e o dinheiro seja reposto. Depois pagas tu e pago eu e ou os filhos e netos que nos acusam porque vivemos acima das nossas possibilidades.

    Ainda falam da corrupção de outros países? Que revolta amiga...

    Beijocas e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é o que "encanta" mais, ver a forma como toda esta gente é punida.
      Quer-me parecer que tudo isto está a tomar uma dimensão intolerável.
      Já não há, sequer, aquela coisita simples chamada respeito por si próprio.
      Mais do que lamentável, é um verdadeiro susto. Apetece perguntar para onde caminhamos.:(

      Bom fim-de-semana.
      Beijinho, Amiga.

      Eliminar
  3. E eu acho que cada vez vamos desenterrar mais "histórias", mais peripécias, mais motivos que nos envergonhem..
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Penso que estamos a atingir aquele ponto em que tudo o mais que possa vir já não surpreende.:(

      Beijinho.

      Eliminar
  4. Este estado de coisas surgiu de repente? Não, apenas estava camuflado.
    E depois, a comunicação dita social está em todas, mesmo que não da melhor forma.
    Preparemo-nos para um futuro não muito longínquo.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois que venha depressa esse futuro, apetece gritar bem alto: CHEGA.
      Estava camuflado tudo isto? Ah, pois estava, mas a "caixa de pandora" não dura sempre!
      Os únicos a ganhar com esta vergonha são mesmo os senhores da comunicação social.
      Nós?!...
      Beijinho

      Eliminar
  5. Ainda ontem comentávamos isso também...Uma vergonha! Melhor dizendo, uma sucessão de vergonhas...:-(
    Bom fim-de-semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito sinceramente, Sandra, nunca pensei que pudéssemos descer tão baixo.
      Uma tristeza, isto. :(

      Bom fim-de-semana.
      Beijinho.

      Eliminar
  6. Às vezes penso como me é tão fácil acreditar (verdadeiramente!) no ser humano que esta ao meu lado (qualquer um), crer que é capaz de coisas magnificas, que se pode ultrapassar a si próprio, uma fé plena no outro...
    ...e ao mesmo tempo ser tão descrente em relação à humanidade...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esses seres humanos não serão os puros, aqueles que ainda não foram conspurcados pela ganância, pela ambição desmedida, pelo egoísmo e desrespeito pelo Outro?
      A humanidade é a "esponja" que absorve tudo o que há de pior.
      Bom Domingo.

      Eliminar
  7. Um vergonha sem dúvida!
    Atitudes que nos revoltam e nos fazem desejar o retorno de valores que se vão perdendo numa sociedade consumista e gananciosa!!!
    bj amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gracinha, a minha esperança reside nesta nova geração. Espero que consigam inverter, ainda que lentamente este processo, que retomem os valores perdidos, que saibam ser pessoas honestas, de mãos bem limpas.
      Uma tristeza, tudo isto a que temos vindo a assistir.
      Bom Domingo.
      Beijinho.

      Eliminar