quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Aleppo...




... quem acode a Aleppo?



A L E P P O

Continuará o mundo indiferente à calamidade a que assistimos diariamente?

Poderosos de todo o mundo acudam a Aleppo, acudam à tragédia, ao morticínio, ao sofrimento e quase extermínio de um povo.

É que a responsabilidade, a vergonha é de todos vós.

VERGONHA?
Pois, desgraçadamente estamos no campo da utopia.

Quem acode a Aleppo, quem?!

19 comentários:

  1. Respostas
    1. Não foi, em parte, o início desta calamidade?

      Beijinho, João.

      Eliminar
  2. Viu a reportagem do Panorama BBC: Viver Debaixo do Cerco?
    Estamos a assistir agora. Ainda sem palavras.

    Abraço apertado, Mãe.

    ResponderEliminar
  3. Não, não vi. Vou tentar apanhar amanhã. Uma aflição e um desgosto sem nome ver a destruição, não só de um País como, em grande parte, do seu povo.

    Abraço apertado, muito.

    ResponderEliminar
  4. As imagens que nos chegam são horripilantes e arrepiantes.
    Bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Indescritível, Pedro! Uma guerra sem fim à vista, uma verdadeira tragédia. Até quando, até quando?:(

      Bom fim-de-semana.

      Eliminar
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Uns não querem, outros não podem." dizes bem.:(
      Os que não podem, têm desculpa(?), mas e os que não querem?...
      O homem é mesmo a besta do homem. Sempre foi, e sempre será, desgraçadamente.

      Bom fim-de-semana.

      Beijinho.

      Eliminar
    2. Por que motivo o meu comentário de 2 de Dezembro de 2016 às 10:50 foi "removido por um administrador do blogue", GL? :(

      Eliminar
    3. Ora aí está uma bela questão.:(
      Por incrível que pareça não só não me tinha apercebido, como não faço a mais pequena ideia de como é que isso sucedeu.:((
      Estou a ter alguns problemas com o blog que não sei explicar. Andarão a mexer em alguma coisa?
      Resta-me pedir desculpa, e mais, pedir que não penses que foi intencional, nunca fiz nem faria uma coisa dessas.
      Beijinho.

      Eliminar
    4. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    5. Jamais pensaria que foi intencional mas que o gajo (comentário) fugiu, lá isso fugiu.

      PS: deves estar com problemas no blogue, acabaste de publicar a tua resposta em duplicado.

      Beijinho

      Eliminar
    6. Não devo, estou mesmo, não sei é como resolvê-los.:(
      Beijinho

      Eliminar
  6. E numa época em que "ajudar" faz todo o sentido!
    Bj amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Diria mais, ajudar nestas situações é, ou devia ser, obrigatório.
      Beijinho

      Eliminar
  7. Um horror...e pobre de quem se sente impotente perante a ganância de meia dúzia de mandantes! Não consigo dizer mais nada!!!

    Beijos e um bom domingo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma revolta sem nome, uma angústia sem fim é o que todos (?!) sentimos.
      Isto resolve alguma coisa? Desgraçadamente não, mas que poder temos, a maioria de nós, para inverter/pôr fim a este atentado contra todos, e mais alguns, direitos do homem?

      Beijinho

      Eliminar
  8. Certamente também não o fará o novo presidente dos Estates!...
    Receio continuarem entregues à sua própria sorte!
    Há tempos fiz um post, no meu blogue, assinalando a morte do último pediatra em Aleppo... e desde então... nada mudou!...
    Ajudar os que necessitam... não é rentável! E por isso... ninguém intervém, tal como ninguém intervém no Ruanda, Somália, Etiópia... e em muitos outros países, infelizmente...
    É a triste realidade dos nossos dias...
    Beijos! Bom domingo!
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vergonhasamente, e em síntese, é isso mesmo: não dá lucro, seja este em que forma for, não interessa.
      Os milhares de mortes não tiram o sono a ninguém. :(
      Beijinho, Ana.

      Eliminar