sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Quando o sonho ainda comanda a vida!

Recebi, através de mão amiga, este pedacinho de sonho, da autoria de José Gomes Ferreira, que muito me sensibilizou, que muito agradeço.
Quantas recordações, quantas imagens, quantos "amiguinhos" construi a partir de uma simples nuvem.

Querem recordar?

Aqui está.

Aquela nuvem 
Aquela nuvem
Parece um cavalo...

Ah! Se eu pudesse montá-lo!

Aquela?
Mas já não é um cavalo,
É uma barca à vela.

Não faz mal.
Queria embarcar nela.

Aquela?
Mas já não é um navio,
É uma torre amarela
A vogar no frio
Onde encerraram uma donzela.

Não faz mal.
Quero ter asas
Para a espreitar da janela.

Vá, lancem-me no mar
Donde voam as nuvens
Para ir numa delas
Tomar mil formas
Com sabor a sal
- Labirinto de sombras e de cisnes
No céu de água-sol-vento-luz concreto e irreal...
José Gomes Ferreira (1900-1985), in Poesia IV

Fotografia de minha autoria.

Ao ler este singelo poema não voltamos a ser crianças, não voltamos ao imaginário da nossa infância?
Algum de vós não idealizou que aquela nuvem, AQUELA, era a vossa nuvem, aquela com que podiam brincar, que seria aquilo que quisessem que fosse?  
Não? Não acredito! É que a ser assim nunca foram verdadeiramente crianças. 

Uma vez mais um grande Obrigada para ti, Amigo.

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

João Lobo Antunes, o Homem.


Partiu um Homem Grande, uma perca que nos deixou muitíssimo mais pobres.
O Homem a quem não nos atrevemos, sequer, a dedicar grandes encómios, O Homem que está acima de tudo isso.



Para o Professor João Lobo Antunes, o médico, o cientista, o intelectual, o Senhor, apenas uma palavra que diga da nossa imensa gratidão por tudo o que fez em prol de um mundo melhor:

OBRIGADA.
Muito, muito OBRIGADA.

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

O mistério! Adenda ao post anterior.


Vamos lá esclarecer o "mistério" referente ao autor por mim mencionado no post anterior o qual, por sua vez, tinha sido referido por outrem que não eu.
Confuso, isto?

"Consta por aí que o eng. Sócrates vai publicar outro livro. Por descargo de consciência li o primeiro. É um exercício escolar sem originalidade ou rigor, que, como lhe compete, exibe uma enorme incultura filosófica. Não valia a pena tornar a falar dele se Sócrates não aparecesse agora com uma nova prestação dos seus pensamentos, desta vez sobre o “carisma” (um assunto que tresanda a pretexto para o auto-elogio)".* 

Já perceberam?
O tema é interessante.
Carisma, carisma...
Até me ficou a doer a cabeça, pobre de mim.


Querem os Amigos ler o artigo de Pulido Valente, na integra, o tal que refere a publicação da nova obra, e não só?  Penso que muitos de vós já o fez, no entanto, caso não o tenham feito, e caso seja se vossa livre e espontânea vontade, aqui fica.


* Itálico meu.


domingo, 16 de outubro de 2016

Senhores

Ora muito bem, vamos lá ver.
Segundo parece o senhor abaixo, o primeiro da minha listinha, teria dito que, o papel do segundo, que por sinal penso ser merecedor do nosso respeito, não deveria ser o de uma Madre Teresa de Calcutá da ONU, o que provocou alguma celeuma.


Aí até estamos um pouco em desacordo. Com os problemas, gravíssimos, que a ONU tem que enfrentar só mesmo um milagre para ajudar, já não a resolvê-los na íntegra, mas a minimizá-los, logo...
Adiante.


Bem, mas o que achei estranho, mas ESTRANHO mesmo, é que o primeiro senhor informou que um terceiro senhor - fotografia? Pois, não há! - ia publicar um livro e, tanto quanto me apercebi, ninguém estranhou.

Eu? Bem, eu fiquei muda de espanto. Que o dito senhor, o tal que não tem direito a fotografia, tenha escrito um livrito nem é nada de muito surpreendente.
SURPREENDENTE é haver quem compre, não fora isso e não haveria livrito que a vida das editoras não é lá muito fácil.
Surpreendente é ninguém comentar.
Surpreendente é, segundo parece, não haver quem se indigne.

Mas como é que é possível?!

Não há dúvida, temos mesmo o que merecemos!

Fonte: Google.


quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Deus é um só. Uno, portanto.


Um Amigo que muito prezo disse-me, há tempo, que Deus é um só, independentemente da nossa religião, crença, Fé, ou qualquer outra  denominação que queiramos dar àquilo que, para nós é O transcendente.



Fiquei a pensar nisso, e sim, concordo, Deus é um só, mas...?
Mas, e de uma forma simplista, o Deus dos católicos - logo, o meu - é quase sempre igual a sofrimento, a dor, agonia, morte. Atenção, fiz a ressalva que esta abordagem era simplista.

E a  antítese? Existe antítese?
A Fé transfigurada em beleza, mistério, religiosidade, aquela que nos transporta, de facto, a Deus? O que vos parece? Existe, ou não?!

Vamos ver o vídeo?
E agora, o que vos parece?
Quanta mística nestas vozes, na dança, no facies de cada um destes intérpretes.

Vejam, mas, mais do que ver, sintam!

Já vi este vídeo vezes sem conta, mas não me canso.

Um imenso obrigada ao Amigo que teve a gentileza de me apresentar um Deus igual.
Igual mas "diferente" na forma como se mostra, como nos chama, como, inclusive, nos interpela.

Apetece-me dizer: Deus está ali, quase "palpável" na interpretação/sentimento de todos os que participam na Missa.

Uma vez mais fica o testemunho da minha gratidão pelo Amigo que me mostrou esta Face de Deus.

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

O agradecimento que se impõe!...

O apreço, o respeito, a admiração que tenho por este Presidente da República é indescritível.


Sr. Presidente, aqui fica o meu humilde agradecimento por tudo o que tem feito pelo País de todos nós.

Depois?
Bem, depois há a Esperança que devolveu à maioria dos portugueses que tão necessitados estavam de algo que os fizesse ir em frente, rumo a um futuro que se deseja melhor para todos, das crianças aos velhos, dos adultos aos jovens, a todos para quem um futuro digno não passava de uma utopia.

 Bem haja, Sr. Presidente, bem-haja!

domingo, 2 de outubro de 2016

Hoje apenas fica...

... o voto de uma óptima semana para todos vós.
Façam o favor de ser um bocadinho, ainda que muito pequenino, felizes.
É difícil? Quem diz que não?!


A fotografia é, não só o "miminho", como o testemunho da minha "arte" nesta vertente.